Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Bahia

Segundo especialistas, a nova cepa tem chances de ser mais transmissível e letal do que a covid-19 (Foto: Reprodução)
Segundo especialistas, a nova cepa tem chances de ser mais transmissível e letal do que a covid-19 (Foto: Reprodução)

Mulher de 56 anos veio do Maranhão no dia 12 de maio, com sintomas

O município de Alagoinhas, no Nordeste da Bahia, descarta a possibilidade de circulação da variante indiana na cidade. A informação foi confirmada pela prefeitura, após o governo do Maranhão rejeitar a suspeita de que a nova cepa da Índia estaria propagada no estado. Segundo especialistas, a nova cepa tem chances de ser mais transmissível e letal do que a covid-19.

A suspeita foi descartada porque, de acordo com o governo do Maranhão, as pessoas que tiveram contato com um dos tripulantes do navio que veio da Índia testaram positivo para a variante P1, de Manaus.  

A secretaria de saúde do Maranhão informou que foram rastreadas e testadas 147 pessoas que tiveram contato com o paciente internado. Todas elas foram testadas e seis deram positivo para a covid-19, com a P1. Outros 23 tripulantes do navio seguem em quarentena e não apresentam sintomas.

"Após sequenciamento genômico, o IEC [Instituto Evandro Chagas] detectou a P.1 como variante das amostras. Deste modo, está descartada a suspeita de transmissão local da variante indiana no Maranhão", comunicou a secretaria de saúde maranhense.

Ainda segundo a secretaria, os seis casos positivos são profissionais de saúde do hospital privado e foram imediatamente colocados em quarentena, antes mesmo da confirmação da variante. Cinco estão em isolamento domiciliar e outro está internado.

A residente de Alagoinhas passou três meses no Maranhão e retornou para a cidade natal no dia 12 de maio, oito dias depois de um dos tripulantes começar a sentir os sintomas da doença. Ele foi internado no dia 14 de maio e a confirmação que estava contaminado com a cepa indiana foi feita na última sexta-feira (21).  

A mulher de 56 anos foi à Unidade de Pronto Atendimento (Upa) da cidade, pela primeira vez, no dia 16 de maio, com sintomas gripais. De acordo com a prefeitura, ela fez o teste RT-PCR e foi regulada para o Hospital Santa Clara, em Salvador, onde faleceu, na última terça-feira (25), pelo novo coronavírus.

A Secretaria de Saúde de Alagoinhas informa que "tomou todas as providências para a testagem e monitoramento de 9 familiares que tiveram contato com a senhora". Mesmo com a suspeita descartada, a vigilância da cidade continua o monitoramento com a família e contactantes.

"Mesmo assim, nós da Vigilância Epidemiológica e a Secretaria de Saúde do estado estamos monitorando e rastreando esses moradores de Alagoinhas. Todo cuidado é importante neste cenário", explica Telma Pio, diretora da Vigilância em Saúde do município.

O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) fará o sequenciamento genético da amostra da saliva da suspeita. O objetivo é descobrir qual variante causou sua morte. Um de seus filhos também testou positivo. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ainda não definiu os protocolos a serem tomados.

Veja também:

Caso suspeito de variante indiana é monitorado em Alagoinhas

Três estados já têm casos suspeitos de cepa indiana

100 pessoas tiveram contato com infectados pela variante indiana no Brasil

Maranhão registra primeiros casos da variante indiana da covid-19

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br