Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Bahia

O Maranhão foi o primeiro estado brasileiro onde a variante foi encontrada, na tripulação de um navio advindo do país asiático (Foto: Reprodução)
O Maranhão foi o primeiro estado brasileiro onde a variante foi encontrada, na tripulação de um navio advindo do país asiático (Foto: Reprodução)

Mulher que chegou a ficar internada em Salvador morreu na terça-feira (25) de covid após ter vindo do Maranhão; filho testou positivo

A pedido da família, o nome da paciente que faleceu em Alagoinhas foi ocultado. A matéria foi editada às 11h21.

A variante indiana, nova cepa da covid-19 que cientistas suspeitam ser mais letal e mais transmissível, pode já ter chegado à Bahia. O caso de uma paciente, moradora de Alagoinhas, no nordeste do estado, está sob investigação. Uma mulher, de 56 anos, faleceu na terça-feira (25) em decorrência de complicações da covid. Como ela veio do Maranhão já com sintomas da doença, no último dia 12, a Vigilância em Saúde do município (Visau) apura se ela morreu pelo vírus mais comum ou pela nova cepa da Índia.

O Maranhão foi o primeiro estado brasileiro onde a variante foi encontrada, na tripulação de um navio advindo do país asiático. A confirmação de que era a cepa indiana foi feita na última sexta-feira (21). Até a quarta (26), segundo o Ministério da Saúde (MS), existem seis casos confirmados no estado maranhense, e um em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro.

Outros três casos suspeitos são monitorados, em Minas Gerais e no Pará, e aguardam a conclusão de sequenciamento genético. Os casos no Distrito Federal e Ceará foram descartados para a nova variante. Ela também já está presente em mais de 53 países.

A mulher ficou internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Alagoinhas, e, depois, foi para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Salvador. A Secretaria de Saúde de Alagoinhas faz o monitoramento com as pessoas da família e com as quais ela teve contato.  

O filho mais novo testou positivo e está com sintomas leves, como coriza e falta de paladar. Já a filha testou negativo e o irmão mais velho ainda aguarda resultado. Segundo a família, ela passou três meses em solo maranhense para visitar os irmãos.  

A diretora da Visau de Alagoinhas, Telma Pio, diz que o caso, apesar de não ter sido confirmado que é a variante indiana, preocupa.

“A gente fica em alerta porque ela veio do Maranhão, onde está circulando uma variante nova. Por isso que entramos em ação rapidamente. A equipe da UPA já sabia que ela viria e fez toda a alocação para que ela não tivesse contato com os demais. Vamos manter a família em isolamento e continuar testando, para continuar a investigação”, afirma.  

Um outro caso suspeito em Alagoinhas, de um homem, foi descartado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). A secretaria de saúde municipal ainda não notificou a Sesab, mas informou a situação para o Núcleo Regional de Saúde da região.  

Bahia tem 21 variantes da covid-19

A Bahia tem, ao todo, 21 variantes da covid-19 em circulação, presentes em 89 dos 417 municípios, segundo o último boletim técnico do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen), divulgado em 11 de maio. De setembro de 2020 a 16 de abril de 2021, a equipe do Lacen sequenciou 225 genomas do Sars-CoV-2.  

Das 21 variantes, apenas quatro são classificadas como "de preocupação", por serem mais graves e transmitirem o vírus mais rápido: a de Manaus (P1), a do Rio de Janeiro (P2), a do Reino Unido (B.1.1.7) e uma mutação da variante de Manaus (N9). Das 49 amostras sequenciadas em abril, quase metade delas eram da variante de Manaus (49,1%). A da Inglaterra ficou em segundo lugar (8,2%) e a do Rio de Janeiro em terceiro (2%).  

Dentre essas 49 amostras de abril, que foram coletadas a partir de pessoas que testaram positivo para covid-19, 33 evoluíram a óbito, sendo 60,6% da variante P1, o que indica um alto grau de letalidade.  

Monitoramento

O monitoramento dos casos suspeitos de novas variantes é feito através de uma rede chamada Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (Cievs). Em cada capital e estado do Brasil existe um representante, que é notificado e coordenada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Cristiane Cardozo é quem coordena o Cievs de Salvador. Segundo ela, existem na capital baiana três das quatro variantes que mais preocupam – a de Manaus, em maior predominância, Rio de Janeiro e Reino Unido.   

“A gente já vem acompanhando, desde o início, as quatro variantes que entraram no Brasil, que são as mais graves. Em Salvador, temos feito esse monitoramento através dos exames laboratoriais e, quando a gente recebe alguma informação, como foi o caso do passageiro da Índia, tem uma parceira muito próxima com a Anvisa, que já alerta Cievs sobre a situação”, explica Cristiane.  

Esse rastreamento acontece em etapas. “Fazemos a coleta para realizar o teste e buscamos entender o trajeto que ele fez, para verificar outras pessoas que tiveram contato com ele. A ideia é fazer a testagem desses contactantes para aumentar o espectro de identificação da variante”, esclarece a coordenadora.  

Como a responsável pelo controle nos portos e aeroportos é a Anvisa, é ela que toma o primeiro passo, a partir do preenchimento de questionários na imigração, por exemplo. Ao desembarcar, o passageiro é imediatamente orientado a ficar em isolamento, se vier de zona de risco, e é acompanhado por equipes de vigilância locais.  

Não há um protocolo específico para os passageiros que chegam das localidades onde já foi identificada a variante indiana. Eles tampouco são impedidos de circular ou vir para o território baiano.  

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) disse somente que determinou às empresas a adoção de medidas de prevenção à disseminação do coronavírus, como disponibilizar álcool em gel e aferir a temperatura dos passageiros. O Aeroporto disse que não faz monitoramento, pois é competência da Anvisa.  

Como se forma uma variante?

O pesquisador da Fiocruz Ricardo Khouri, especialista em patologia humana e microbiologia, explica que variantes são comuns e existem centenas delas. As quatro cepas de preocupação podem ser 30 a 50% mais transmissíveis que o vírus normal da covid.

“Pelo processo de replicação do vírus, ele acaba cometendo muitos erros. Nos mamíferos, nosso sistema de replicação passa por uma checagem e tem correções frequentes. Mas o vírus, por ser uma entidade mais primitiva, as enzinas responsáveis pela replicação desse material genético cometem esses defeitos, o que gera uma diversidade genética muito grande”, detalha Khouri.  

A cada vez que o vírus é transmitido, ele se replica, por isso que, quanto maior a taxa de transmissão, maiores as possibilidades de geração de variante. Ainda mais em um contexto de baixo índice de vacinação. “Se tiver uma transmissão descontrolada, como ocorreu em Manaus, favorece que o vírus tenha uma diversidade maior, e, quando ele se insere em um contexto de pessoas infectadas, que já tem os anticorpos, e pessoas em processo de vacinação, a chance de ter variantes mais adaptadas e mais virulentas é maior”, alerta o pesquisador.

Por isso que, além da vacina, é preciso manter as medidas restritivas. “O segredo é controlar ou reduzir essa cadeia de transmissão, adotando medidas não-farmacológicas. É preciso ter o uso de máscara, de lockdown, de distanciamento social e tentar vacinar o maior número de pessoas no menor tempo possível”, completa Khouri.  

Procurada, Anvisa não respondeu ao CORREIO até o fechamento da matéria.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br