Galeria de Fotos

Não perca!!

Política

Trânsito intenso nas ruas de Salvador devido ao aumento da frota de veículos
Trânsito intenso nas ruas de Salvador devido ao aumento da frota de veículos

A frota de veículos de Salvador aumentou 43% nos últimos 10 anos, o terceiro maior crescimento entre as cinco mais populosas cidades do país: São Paulo (39%), Rio de Janeiro (36%), Brasília (51%) e Fortaleza (51%). Caso o ritmo permaneça o mesmo, com o crescimento médio de 6% ao ano, devido, em grande parte, aos incentivos do governo federal para aquisições do carro zero, a capital baiana terá mais de 1 milhão de veículos para uma população de quase 3 milhões de pessoas em 2016, o quarto ano do mandato do próximo prefeito.

 

O aumento de carros em uma cidade que não possui planejamento urbano constitui-se em um dos principais desafios para o novo gestor municipal. Quatro especialistas em trânsito foram ouvidos pela reportagem de A TARDE para apontar possíveis soluções e esclarecer em quais pontos as últimas administrações erraram. Hoje com uma frota de 772.278 veículos e 2.742 ônibus, bastam apenas uma batida, uma parada em um local inadequado ou uma intervenção viária para o trânsito travar, em qualquer horário. A população que usa o transporte público é a mais castigada, por passar horas dentro de ônibus, alguns sujos e lotados.

Amadorismo - A falta de  planejamento urbano é apontada por  todos os especialistas  como um dos principais problema do tráfego. O certo é que Salvador não se preparou para receber o boom dos milhares de veículos que chegam às ruas todos os meses, apesar de desde a década de 70 já se chamar a atenção para a impossibilidade de dissociar o trânsito do planejamento do uso do solo. Para se ter uma ideia do amadorismo, não existe sequer uma pesquisa de destino e origem dos passageiros. Esse estudo ajudaria a identificar de onde vêm e para onde vão as pessoas diariamente, podendo auxiliar no planejamento de estratégias de locomoção eficiente e confortável,  afirma o  professor de urbanismo Luiz Antônio de Souza.

A descontinuidade administrativa é uma das explicações para a falta de projetos eficazes. A Secretaria Municipal de Transportes e Infraestrutura, por exemplo, teve oito secretários nos oito anos da  gestão de João Henrique. “Não dá para fomentar política com esse entra e sai. E pessoas sem qualificação. Aí você procura um bode expiatório, que é o aumento de veículos”, alerta Souza.

O crescimento da frota, motivado pelas péssimas condições do transporte público, contribui para o  inchaço nas vias, porque o espaço físico não cresce na mesma proporção que os carros. Salvador, décima-sexta cidade mais populosa das Américas, passa, hoje, pelo que todos os países do mundo, sobretudo os capitalistas, já passaram, por ter a indústria automobilística como motor de desenvolvimento econômico. “No curto prazo, se medidas agressivas não forem tomadas, de limitação e restrição do veiculo, não teremos solução, porque o espaço oferecido não pode ser alterado em 4, 5, 6 meses”, alerta o professor de urbanismo Ney Castro.

A saída, nesse caso, é investir no transporte de massa para desestimular o uso do veículo particular, alertam os especialistas. Uma solução,  sugere  Castro, seria um metrô subterrâneo, com todo custo que  implique: “A Paralela e o Bonocô são avenidas largas com canteiros centrais largos, que comportariam uma obra por debaixo da terra”.

Os projetos pontuais, com criação de viadutos e inclusão de passarela, também não são opções viáveis, como vêm sendo realizados pela prefeitura, afirma o especialista em trânsito Elmo Felzemburg, que cita a ineficiência dos viadutos da região do Iguatemi. “Quantos deles têm ali e não resolveram o problema?” A Setin não informou o valor gasto nas últimas intervenções com objetivo de desafogar o tráfego.

Além da criação de um sistema integrado, que ligue o metrô aos outros meios de locomoção, há alternativas para reduzir o tempo de deslocamento, como  incentivar carona solidária, descentralizar atividades de determinadas regiões, estimular empresas a adotarem transporte dos funcionários em  vans, o que  tiraria das ruas,  oito automóveis, caso o veículo transportasse oito funcionários, destaca o professor de urbanismo Juan Pedro Moreno.

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br