Galeria de fotos

Não perca!!

Política

Wagner lidera a disputa para o Senado na Bahia
Wagner lidera a disputa para o Senado na Bahia

O ex-governador da Bahia Jaques Wagner comunicou ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que, caso a candidatura do petista seja rejeitada pela Justiça, pretende se apresentar como candidato a vice-presidente, endossando cabeça de chapa de outro partido. Wagner refutou a possibilidade de ser o candidato alternativo do PT, o chamado plano B, com o provável impedimento de Lula em razão da Lei da Ficha Limpa — que veda a inscrição na disputa eleitoral de candidatos condenados em segunda instância. Wagner defende que, na impossibilidade legal do que chama de plano L, o PT deveria abraçar o plano C — de Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência.

Aos 67 anos, Wagner é formalmente candidato ao Senado pelo PT da Bahia. Pesquisas apontam que atinge 35% das intenções de voto, liderando a disputa das duas vagas para o cargo no estado. Só abriria mão de eleição em que lidera em nome de uma coalizão ampla à Presidência, com possibilidade real de chegar ao segundo turno. Acredita que o prazo de transferência de votos de Lula para um candidato indicado por ele — na reta final da campanha — seria apertado demais. O apoio a um nome fora do PT limitaria danos do desgaste sofrido pela legenda com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e com o escândalo do petrolão apurado pela Operação Lava Jato.

Na semana passada, Jaques Wagner telefonou ao coordenador do programa de governo petista, Fernando Haddad, informando-o de sua decisão. Pediu que o ex-prefeito paulistano reforçasse com Lula a estratégia que defende, de se postar como candidato a vice, com o PT abrindo mão da cabeça de chapa. Formado em Direito, Haddad foi incluído no rol dos defensores legais do ex-presidente. Ele tem acesso livre à cela em que Lula cumpre pena de 12 anos de prisão, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Surpreso com o telefonema do ex-governador baiano, Haddad sugeriu que o próprio Wagner tratasse do tema com Lula. Avaliou que não seria o canal adequado, porque parte do PT — em especial lideranças mais jovens — acredita que o ex-prefeito deve ser o plano B. Wagner, no entanto, é o candidato alternativo de lideranças petistas mais tradicionais e importantes, como o ex-ministro José Dirceu. Haddad preferiu se manter neutro diante da articulação que Wagner sinalizou iniciar.


“A tese é que, não sendo Lula, o PT não deve indicar o substituto. A discussão não inclui necessariamente a questão de vice, a menos que o PT queira estar na chapa. Não estou tratando de Ciro, mas do conceito”, disse Wagner a ÉPOCA.


Interlocutores de Wagner afirmaram que o ex-governador se preocupa com desdobramentos policiais caso assuma a disputa à Presidência. Ele é investigado em inquérito da Polícia Federal por supostamente ter recebido R$ 82 milhões das empreiteiras OAS e Odebrecht pelo superfaturamento do contrato de reconstrução e gestão do estádio Fonte Nova, em Salvador. Wagner nega as acusações, mas teme que, ao assumir-se candidato a presidente, estimule o que considera “perseguições judiciais” contra si e o PT.

O PT faz a convenção neste sábado, dia 4, para confirmar Lula como candidato a presidente. Deve transferir para a Executiva Nacional a escolha do nome do vice na chapa do partido. Registrará então sua chapa completa em 15 de agosto, podendo sofrer impugnação a partir dessa data, mas com possibilidade de múltiplos recursos ao TSE e ao STF. No cenário mais otimista dos petistas, os recursos podem postergar a avaliação do mérito da situação de Lula até dezembro. No cenário mais pessimista, já em agosto a candidatura de Lula seria indeferida e sua participação no horário eleitoral gratuito impedida. Nesse caso, aumentaria a pressão para que Lula anunciasse de imediato seu plano B, porque a disputa de 2018 será a mais curta da história. O horário eleitoral gratuito — marco da popularização dos candidatos — será de 31 de agosto a 4 de outubro, totalizando apenas 34 dias de campanha e seis horas de transmissão política na TV.

Petistas com acesso a Lula afirmam que são pequenas as chances de o ex-presidente aceitar a ideia de o PT abrir mão da cabeça de chapa na disputa presidencial. Na quarta-feira, PT e PSB fizeram acordo em que os socialistas se apresentarão como neutros na disputa presidencial em troca de alianças com os petistas em 11 estados. O acordo isola Ciro Gomes, enfraquece-o e o afasta ainda mais do PT.

Petistas apontam que Ciro Gomes poderia receber o apoio de Lula como plano B se tivesse se oferecido ao ex-presidente como candidato a vice-presidente. Assim, com o impedimento legal de Lula, o movimento natural seria o petista apoiar Ciro como candidato a presidente. Desde 2003, Lula e Ciro mantinham relação próxima e de confiança. No decorrer da pré-campanha deste ano, petistas apontaram declarações erráticas de Ciro como motivo do desencanto de Lula com o agora candidato do PDT.

Depois de 45 anos Gilberto Gil e Chico Buarque votam a cantar 'Cálice', durante Festival Lula Livre, que reuniu milhares de pessoas na Lapa, no Rio de Janeiro (foto Mauro Pimentel FP)
Depois de 45 anos Gilberto Gil e Chico Buarque votam a cantar 'Cálice', durante Festival Lula Livre, que reuniu milhares de pessoas na Lapa, no Rio de Janeiro (foto Mauro Pimentel FP)

Quando o nome de Lula aparece na lista de candidatos, o petista atinge 30% dos votos, de acordo com pesquisa Datafolha, mantendo-se à frente da corrida sucessória. A taxa daqueles que afirmam que o apoio de Lula a um candidato pode levá-los a escolher esse nome está em 46% dos entrevistados. Essa parcela de eleitores é cobiçada tanto por Ciro Gomes como pela candidata da Rede à Presidência, Marina Silva — nomes que as pesquisas mostram com chances de herdar votos lulistas, no caso da ausência do ex-presidente.

Lula tem lembrado a petistas que por duas vezes cogitou a possibilidade de apoiar um não petista na cabeça de chapa presidencial. No começo do segundo mandato, em 2007, discutiu com peemedebistas a possibilidade de estimular a filiação de Aécio Neves ao MDB. O tucano era então visto como líder jovem, com quem Lula tinha boas relações e que poderia ser sua opção como candidato presidencial em 2010. Não passou de uma sondagem, com Lula escolhendo, já em 2008, investir na candidatura de Dilma, então ministra da Casa Civil.

Em 2014, ainda durante a pré-campanha, reuniu-se com o então governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Diante de Renata Campos, mulher do pessebista, prometeu que apoiaria Campos em 2018 caso este desistisse de disputar a Presidência em favor de Dilma Rousseff, candidata à reeleição. Campos rejeitou o acordo, saiu candidato, mas morreu em um acidente aéreo em agosto de 2014, quando estava em terceiro lugar nas pesquisas.

Meses atrás, Lula chegou a conversar sobre a possibilidade de uma chapa com Jaques Wagner candidato a presidente e o dono da Coteminas, Josué Gomes, como vice.

Nos últimos dias, aumentou a pressão para que os tribunais superiores antecipem sua decisão sobre a candidatura de Lula. O petista segue preso e repetindo o mantra que adotou: “Afaste de mim esse cale-se”, inspirado na canção “Cálice”, parceria de Chico Buarque e Gilberto Gil. No final da semana passada, os artistas interpretaram a música no festival Lula Livre, realizado na Lapa, no Rio de Janeiro. O encontro gerou imagens que emocionaram Lula, segundo interlocutores. Mas pode não ter outra utilidade além dessa.

Veja também:

Agora é oficial - PT lança Lula candidato à presidencia mesmo preso

Maringoni: PT cuida de suas miudezas numa eleição que pode destruir o Brasil

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br