Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Policial

A apuração constatou que os bandidos, todos da facção Bonde do Maluco (BDM), pretendiam realizar um roubo em série (Foto:Bruno Wendel | CORREIO)
A apuração constatou que os bandidos, todos da facção Bonde do Maluco (BDM), pretendiam realizar um roubo em série (Foto:Bruno Wendel | CORREIO)

Criminosos pretendiam realizar um roubo em série, aponta investigação

A investigação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) aponta que as quatro vítimas da chacina na Mata Escura, todas motoristas de aplicativo, foram brutalmente mortas após duas delas reagirem a ação dos bandidos. A apuração constatou que os bandidos, todos da facção Bonde do Maluco (BDM), pretendiam realizar um roubo em série. Dois motoristas entraram em luta corporal com os criminosos – ambos fugiram pela mata, mas um foi capturado.

“Foi aí que decidiram matar todos. Primeiro espancaram, depois aplicaram golpes de facão e, por último, atiraram. Inicialmente, a intenção era só roubar os carros, celulares e dinheiro dos motoristas para fazer dinheiro da facção. Mas não contavam com a reação de duas das vítimas”, declarou o delegado Odair Carneiro, da Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM), uma divisão do DHPP.

Socorro à mãe
No entanto, uma outra versão aponta que as mortes foram uma vingança do traficante Jeferson Palmeira Soares Santos, o Jel, líder da facção Bonde do Maluco (BDM) na comunidade Paz e Vida, local da chacina. O motivo estaria relacionado ao fato de um motorista de aplicativo ter se recusado a entrar na comunidade, construída no fundo do Complexo Penitenciário da Mata Escura.

Nas primeiras horas após o crime vir à tona, o presidente do Sindicato de Motoristas por Aplicativos da Bahia (Simactter-BA), Átila Santana disse que o Coroa, como também era conhecido Jel, ficou revoltado porque a mãe dele passava mal e acionou motoristas até a comunidade de Paz e Vida, que por sua vez recusaram devido à insegurança no local, e a idosa acabou socorrida por vizinhos. Então, ainda de acordo com Santana, Jel determinou uma emboscada para matar o maior número de motoristas de aplicativos.

Questionado sobre essa versão, o delegado Odair Carneiro negou.

“Nos autos não constam essa versão. O que temos é que era para ser um roubo coletivo, que o fato morte não estava nos planos dos criminosos e que isso se deu por que houve reação por parte das vítimas”, comentou o delegado.

Carneiro disse que chegou à conclusão após ouvir testemunhas, coletar provas e ouvir o depoimento da travesti Benjamin Fraco da Silva, a Amanda, 25, uma das pessoas envolvidas no crime. Ela foi presa no bairro do Alto Peru.

“Amanda faz parte da facção. Um dia antes da chacina, ela e outros da facção roubaram um celular na Estação Pirajá. O aparelho foi usado para atrair a primeira vítima. Foi ela quem levou as vítimas para a comunidade. Ela também foi quem tomava conta do cativeiro e participou do espancamento das vítimas”, contou o delegado.

Durante a apresentação, a travesti Benjami confessou sua participação. “Fui obrigada a levá-los para lá e a bater em um deles. Precisava de dinheiro. A gente queria apenas roubar”, contou ela durante entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (27), no prédio sede do DHPP, no final de linha da Pituba.

Segundo a investigação, cinco pessoas participaram das mortes. Dois deles, Antônio Carlos Santos Carvalho e Marcos Moura de Jesus, morreram em confronto com equipes da 81ª Companhia Independente da Polícia Militar, em Itinga, na noite do crime.

Os outros dois, um adolescente de 17 e o Jel foram encontrados mortos dias após a chacina em locais distintos. “Após o crime, Jel e o adolescente buscavam refúgio em outras áreas de domínio da facção, mas foram mortos pelos próprios integrantes que não admitiram a brutalidade com os trabalhadores”, explicou o delegado Odair Carneiro.

Mas, ainda durante a coletiva, a travesti disse que foram sete participantes da chacina, e não cinco como foi dito pela polícia. As outras duas pessoas são também travestis. “Uma conheço porque andávamos juntas. E o outro não conhecia, mas também era travesti”, disse.

Questionado, o delegado Odair Carneiro respondeu: “Ela está mentido. Na verdade essas duas pessoas são desafeto dela e por isso quer incriminá-las”, explicou.

Veja também:

Chacina dos apps: travesti suspeita de matar motoristas é presa; quatro suspeitos são mortos

Chacina dos apps: famílias de motoristas podem receber até R$ 500 mil de seguro

'Pedi para falar com Deus', diz motorista de app sobre como sobreviveu a chacina

Revoltados com chacina e violência, motoristas de app protestam em Salvador

Traficante suspeito de mandar matar motoristas de apps foi assassinado por rivais

PM mata um dos suspeitos de chacina em Mata Escura

Vídeo - 'Se ele não lutasse, ia ser mais gente morta', diz mulher de vítima

Diretor de sindicato afirma que corpo encontrado na BR-324 é de motorista

Quatro corpos de motoristas de app são encontrados dentro de sacos em Salvador

SERVIÇO:

Esgoto entupido? Chame a Metropolitana Desentupidora

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br