Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Política

Ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, minimizou a ida de vários militares para o ministério da Saúde (Foto: Gabriela Biló | Estadão Conteúdo)
Ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, minimizou a ida de vários militares para o ministério da Saúde (Foto: Gabriela Biló | Estadão Conteúdo)

Em entrevista, o ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, falou sobre a falta de alinhamento com o presidente e se mostrou a favor de um isolamento mais seletivo

O ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou na noite deste domingo, 24, em entrevista à Globonews que neste momento não se sabe o que vai acontecer com o coronavírus no Brasil, como a doença vai evoluir e quanto tempo vai durar. “Navegamos hoje em situação de absoluta incapacidade de enxergar o que vai acontecer pela frente.”

Sobre o general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde após sua saída, Teich disse que o próprio militar afirmou que não tem intenção de permanecer no cargo. “A proposta dele, não sei como ficou, era que, depois que a pandemia passasse e a coisa se estabilizasse, eles voltariam e seriam substituídos”, disse. “Não podemos ter um pré-julgamento porque ele é militar. Tenho que julgar se ele é competente ou não e para o que ele veio ele é competente.”

O ex-ministro disse que Pazuello tem experiência com as Olimpíadas e com a Venezuela e por isso tinha condições de entrar no ministério em sua gestão, nomeado como secretário executivo. “Achava que ele tinha experiência em conduzir situações difíceis. Se eu não tivesse visto nele pessoa certa naquela posição, uma dos dois não ficaria, ou ele ou eu.”

Em diversos pontos da entrevista, que durou mais de 90 minutos, Teich afirmou querer evitar a polarização. Ele mencionou, por exemplo, a discussão do isolamento social e a economia. “Se tratou economia como se fosse dinheiro e não vida, eu trato a economia como gente, não como dinheiro.”

Teich disse que Bolsonaro está preocupado “com as pessoas”, mas talvez sua forma de comunicar isso, defendendo o fim do isolamento, não foi a boa. “Não vou julgar o presidente. Quem vai julgar o presidente é o futuro”, disse ao falar de Bolsonaro. “O que não faltou no meu período foi compaixão.”

Por pouco se saber sobre a doença e os próximos passos, a tomada de decisão é frágil, porque você tem que trabalhar com dados ainda incertos. “Se os indicadores mostrarem que não foi a melhor decisão, volto a trás. Foi a melhor decisão naquele momento.”

Isolamento seletivo

O ex-ministro da Saúde disse não ser a favor nem de um isolamento vertical nem horizontal, mas sim um isolamento seletivo, que trata a pandemia de forma mais individualizada.

Para este isolamento mais seletivo, é preciso testar muito mais pessoas, de forma a ter um mapa do que acontece, disse o ex-ministro. “A partir daí você isola as pessoas e seus contatos”, disse ele, ressaltando que é preciso tratar a coisa de forma mais “individualizada”.

Na entrevista Teich disse que como os hospitais, médicos e clínicas se dedicaram muito ao combate da coronavírus, outros tratamentos acabaram ficando represados. Por isso, há o risco de após passar a pandemia, o setor de saúde ter dificuldade de lidar com isso. Teich mencionou, por exemplo, que houve redução de 70% nas cirurgias oncológicas.

Sobre o isolamento, Teich ressaltou ainda que a decisão sobre o que fazer é das cidades. “O maior problema de administrar isso é saber quando isso acaba, isso traz uma ansiedade sem tamanho para as pessoas.”

Saída do governo

Teich disse que não houve um alinhamento dele com o presidente Jair Bolsonaro, por isso sua decisão de deixar o governo. “Não foi a cloroquina, foi política”, afirmou ao ser perguntado se o uso do remédio para combater a covid-19 foi o motivo de sua decisão.

“Na prática existia entre mim e o presidente uma diferença em como abordar o problema”, afirmou o ministro. Teich disse que ainda não há estudos definitivos sobre a eficácia da cloroquina, que devem estar prontos “em duas, três semanas”, inclusive no Brasil. Por isso, seria melhor esperar. “Aí fica mais fácil definir”, disse ele. Mas Bolsonaro preferia antecipar a decisão de liberar o uso. “O problema não é a cloroquina, o problema é as suas escolhas.”

“Para mim eu tinha que esperar pra tomar uma decisão. Não me senti pressionado, não tem pressão nenhuma”, afirmou Teich. “Se tem coisas que não se sabe se funciona, eu não posso gastar dinheiro nisso, porque tenho pouco dinheiro.” Por isso, disse ele, antecipar a decisão do uso da cloroquina teve peso em sua decisão de saída.

“O dinheiro da saúde é muito pouco para ser gasto em coisas que não funcionam”, disse ele. Teich ressaltou que sempre conversou com Bolsonaro, por mais que tivesse problemas com ele e afirmou que não sofreu pressão e nem aceitaria ser pressionado.

“Ter divergência não é ter conflito, por isso que a saída foi confortável’, disse Teich.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

Veja também:

Secretário que formulou medidas contra covid-19 deixa Ministério da Saúde

“Tem que vender essa porra logo”, diz Paulo Guedes, sobre Banco do Brasil

Bolsonaro cometeu crime na reunião ministerial? Juristas comentam

Avalie - Os cinco momentos essenciais da reunião com Bolsonaro e Moro

Vídeo de reunião ministerial com Bolsonaro citado por Moro é liberado pelo STF

Celso de Mello envia à PGR pedidos de depoimento e de apreensão do celular de Bolsonaro

PF vai exibir amanhã às 8h o vídeo de reunião de Moro com Bolsonaro

Ex-chefe da PF presta depoimento em inquérito sobre acusações de Moro a Bolsonaro

Justiça Federal dá 72 horas para Bolsonaro explicar mudança no comando da PF no RJ

Moro: 'Você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma', disse Bolsonaro

'Será que abandonamos toda e qualquer dignidade?', questiona Moro

Generais desmentem Bolsonaro: se ele quiser dar golpe que vá buscar apoio em outro lugar

Moro presta depoimento à Polícia Federal neste sábado

Bolsonaro nomeia André Mendonça para Ministério da Justiça no lugar de Moro

'Conta' pelas mortes por covid-19 é de prefeitos e governadores, diz Bolsonaro

Sergio Moro terá 'duelos' no STF contra Bolsonaro e Lula

Lava Jato vê espaço para obstrução de investigações com saída de Moro

Escolhido para chefiar a PF fez segurança de Bolsonaro e tem a confiança dos filhos

Bolsonaro diz que Moro propôs aceitar demissão de diretor da PF se fosse indicado ministro do STF

Vídeo - Bolsonaro faz pronunciamento no Palácio do Planalto

'Por enquanto, só lamentar', diz general Villas Bôas sobre saída de Moro

'Bolsonaro queria interferir na PF e ter acesso às investigações', diz Moro

The Intercept: Ei, general... desobedece quem tem juízo

Deputada diz que Bolsonaro quer afastar diretor da PF por investigação a Flávio

Moro pede demissão, mas Bolsonaro tenta reverter, diz jornal

'Não sou coveiro, tá?', diz Bolsonaro ao responder sobre mortos por coronavírus

Presença de Bolsonaro em aglomeração causa primeira 'saia-justa' no novo ministro da Saúde

Bolsonaro demite presidente do CNPq, órgão de fomento à pesquisa

Mandetta deixa Ministério da Saúde sob aplausos

Em meio à crise do coronavírus, Mandetta anuncia em rede social que foi demitido por Bolsonaro

Mandetta não aceita demissão de secretário: 'Vamos trabalhar juntos até sairmos juntos'

Troca no Ministério da Saúde 'deve ser hoje, mais tardar amanhã', diz Mandetta

Considerado braço direito de Mandetta, secretário pede demissão

Mandetta já avisou à equipe que vai ser exonerado, diz jornal

Bolsonaro começa avaliar nomes para substituir ministro da Saúde

Bolsonaro quer forçar Mandetta a pedir demissão após ministro perder apoio entre militares

Brasileiro não sabe se escuta ministro ou presidente, diz Mandetta

Mandetta diz que permanecerá em ministério e volta a defender isolamento: “Vamos continuar”

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br