Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

Adelio Bispo de Oliveira (Foto: Reprodução)
Adelio Bispo de Oliveira (Foto: Reprodução)

"Até aqui, a investigação, marcada ininterruptamente pelo rigor técnico, demonstrou que Adélio Bispo de Oliveira atuou sozinho, por iniciativa própria", diz o inquérito da PF

Pela segunda vez, diante da insistência de Jair Bolsonaro em buscar um mandante para o atentado, a Polícia Federal concluiu que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho na facada desferida contra o então candidato à presidente na campanha eleitoral de 2018 em Juiz de Fora, Minas Gerais.

“Ainda que a maioria das pessoas acreditem na existência de suporte logístico ao perpetrador do ato delitivo ou no envolvimento de grupos criminosos especializados, até o presente momento nada de concreto pode ser concluído a partir desta hipótese criminal […]. Até aqui, a investigação, marcada ininterruptamente pelo rigor técnico, demonstrou que Adélio Bispo de Oliveira atuou sozinho, por iniciativa própria, tendo sido responsável pelo planejamento da ação criminosa e por sua execução, não contando, a qualquer tempo, com o apoio de terceiros”, diz o inquérito da PF.

O primeiro inquérito sobre o caso tinha sido concluído em setembro de 2018, mesmo mês e ano que o crime ocorreu. A investigação inicial já havia considerado que Adélio Bispo agiu sozinho no momento do ataque.

Segundo inquérito
De acordo com o Portal G1, o segundo inquérito investigou todo o material apreendido com Adélio Bispo, como um computador portátil, aparelhos celulares e documentos. Foram analisados 2 terabytes de arquivos de imagens, 350 horas de vídeo, 600 documentos e 700 gigabytes de volume de dados de mídia, além de 1200 fotos.

Ao todo, 23 laudos periciais foram elaborados, 102 pessoas entrevistadas em campo e 89 testemunhas ouvidas no inquérito. Também foram realizadas diligências de busca e apreensão, quebras de sigilos fiscais, bancários e telefônicos.

O inquérito investigou todo o material apreendido com Adélio Bispo, como um computador portátil, aparelhos celulares e documentos. Foram analisados 2 terabytes de arquivos de imagens, 350 horas de vídeo, 600 documentos e 700 gigabytes de volume de dados de mídia, além de 1200 fotos.

Veja também:

Juiz autoriza transferência de Adélio Bispo para hospital psiquiátrico

A 'facada' - Bebianno processa Bolsonaro

'Querem saber é se foi o Lula que pagou a defesa', diz advogado de Adélio

Juiz autoriza exame de sanidade mental em agressor de Bolsonaro

Laudo aponta insanidade mental em agressor de Bolsonaro

Agressor de Bolsonaro será transferido para presídio de segurança máxima

Bolsonaro é esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora - Veja o vídeo

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br