Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

O pânico coletivo precisa se transmutar em ação ética e solidariedade comunitária - Trabalhadores usando máscaras protetoras nos arredores do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) no dia 13 de março em Brasília (Foto: Andre Coelho | Getty Images)
O pânico coletivo precisa se transmutar em ação ética e solidariedade comunitária - Trabalhadores usando máscaras protetoras nos arredores do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) no dia 13 de março em Brasília (Foto: Andre Coelho | Getty Images)

Enquanto uma parte significativa do mundo discute trabalho remoto e isolamento, a senhora que trabalha como caixa do supermercado permanece parte do dia sentada, encarando cada consumidor que compra papel higiênico para estocar. O supermercado fecha, e as funcionárias terceirizadas da faxina chegam para limpar o chão. Elas vão e voltam do trabalho de metrô e ônibus, de pé, segurando-se na barra do veículo lotado. Essas pessoas não podem parar.

A gente olha para a comitiva de viagem de Jair Bolsonaro, que voltou dos Estados Unidos infectada ou em quarentena, e pensa que nada é nada mais “democrático” do que uma pandemia em escala global. Os grandes cruzeiros também seriam prova disso. O vírus, em princípio, não escolhe classe, raça e gênero. Ele simplesmente se espalha, entre partículas e superfícies, de um corpo para o outro. Mas sabemos que a maneira como corpos, partículas e superfícies estão dispostas no mundo variam de acordo com marcadores sociais de desigualdade. O sistema que permite que pessoas passeiem de navio é o mesmo que isolará essas mesmas pessoas enquanto as oferece um sistema de saúde de luxo.

Na última semana, assistimos muitos vídeos de como lavar as mãos em 20 segundos. Aprendemos a abrir a porta com o cotovelo e realinhamos nossa distância física nos afetos e cumprimentos da vida. Enquanto passamos o sabonete no pulso, palma da mão e punho muitas vezes ao dia, as consequências extremadas de um mundo distópico pandêmico seguem seu curso, demarcando um apartheid sanitário. Bilionários pegam seus jatinhos particulares e vão para bunkers de luxo isolados em países não infectados. Enquanto isso, 736 milhões de pessoas vivem em extrema pobreza no mundo e consideram o sabonete um objeto de luxo.

Como apontou uma reportagem do Valor, o vírus chega no Brasil em recessão econômica e com alto índice de desemprego e informalidade. Para grande parte dos trabalhadores brasileiros desprotegidos – entre trabalhadores informais, freelancers e empreendedores –, o isolamento não é uma possibilidade. Ou se fica vulnerável ao vírus, ou não se paga as contas. Parar significa uma tragédia em uma população já super-endividada.

Em época de epidemia e esvaziamento dos espaços públicos, entregadores e motoristas de aplicativos precisam trabalhar em dobro para compensar. O ciclo vicioso só piora. Ao não dormirem bem, a imunidade cai. Muitos desses sujeitos encarnam a lógica neoliberal que atribui ao próprio indivíduo a responsabilidade do sucesso ou fracasso. Por sujeição ou falta de opção, eles se colocam em um regime vigilante intenso de autodestruição.

Outra vítima em potencial do coronavírus são os setores terceirizados das grandes empresas, que não têm limite na ganância e na superexploração. Na semana passada, prestadores de serviço do Facebook denunciaram ser obrigados a ter que trabalhar em algumas sedes da empresa, enquanto os funcionários formais foram liberados para trabalhar remotamente. Terceirizados da sede de Mountain View dizem que as pessoas vão trabalhar tossindo e doentes. Outra empresa de marca “descolada”, o supermercado Whole Foods, em vez de garantir folga remunerada para seus empregados, enviou uma nota sugerindo que os trabalhadores doem seus dias pagos para seus colegas que precisam.

Olhando para a história das mortes das grandes epidemias do mundo, como destacou o escritor e ativista Mike Davis, é possível prever como alguns farão de tudo para se salvar, enquanto milhares morrerão em massa nas favelas da África do Sul, por exemplo. Epidemias são casos bem acabados daquilo que o médico e antropólogo Paul Farmer chamou de “violência estrutural”: a forma como estruturas políticas e econômicas afetam, infectam e matam populações que vivem em condições precárias.

HIV, tuberculose, ebola, dengue, zika e, agora possivelmente, o coronavírus são exemplos disso. A literatura é extensa sobre o tema e o chama de biopolítica, patologias do poder, sofrimento social ou, como recentemente escreveu Debora Diniz, a necropolítica das epidemias. Em todos essas perspectivas, chama-se a atenção para como alguns corpos são escolhidos para vencer a batalha da sobrevivência, enquanto outros são jogados à própria sorte. Como para algumas pessoas a vida é permitida e a outras, não? Essas são questões tanto de saúde pública quanto de política econômica – e só podem ser pensadas juntas.

Precisamos urgentemente tratar a pandemia do coronavírus como uma questão relacionada à opressão social. O vírus escolhe, sim, classe, raça e gênero.

Conversando com Mariana Varella, editora-chefe do Portal Drauzio Varella, ela demonstrava profunda preocupação com o potencial catastrófico que a epidemia pode ter no Brasil entre os mais pobres, entre aqueles que moram em comunidades cujas casas são aglomeradas e sem ventilação. Ela também teme a falta de leitos em localidades onde não há UTI.

Em nosso apartheid sanitário, podemos falar em racismo epidêmico? Creio que sim. A grande maioria dos mais vulneráveis é negra. Como mostra a reportagem do UOL, com dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento em 2018, são quase 35 milhões de pessoas vivendo sem acesso à água tratada e 100 milhões sem esgoto. Somente em São Paulo, são 7 mil pessoas em situação de rua. Soma-se à falta de moradia e à má nutrição, o fato que pessoas em situação de pobreza extrema estão mais vulneráveis a transtornos mentais, o que também baixa a imunidade.

O vírus também escolhe gênero. A ONU Mulheres tem feito diversos alertas sobre como a epidemia afeta mulheres de diferentes maneiras. Na China, há apelos de ativistas para dar importância ao fato de que a violência doméstica cresceu durante a quarentena, que coloca as pessoas em pressão psicológica extrema. Segundo a Organização Mundial da Saúde, as mulheres representam 70% dos profissionais na linha de frente de combate ao vírus, sendo vulneráveis à infecção e ao estresse.

Precisamos, por causa desse cenário, voltar a debater políticas de proteção social. A Alemanha, por exemplo, já estuda oferecer benefício social para quem não tem direito a folga remunerada. Isso nos leva à antiga discussão levantada por Eduardo Suplicy sobre renda mínima, atualmente encabeçada também pela professora da UFRJ, Tatiana Roque, que tem defendido a importância de se ampliar a proteção social dos trabalhadores informais e por conta própria. Além, é claro, da importância de se defender o SUS e lutar contra projeto de seu sucateamento.

Bernie Sanders tem usado a crise pandêmica para reafirmar a necessidade de um sistema de saúde gratuito e universal. Se há alguma lição que podemos tomar desse processo que beira à catástrofe é a necessidade de radicalizar na contramão do neoliberalismo, discutindo acesso aos direitos fundamentais à educação, à saúde e à moradia.

Como bem disse o filósofo Slavoj Zizek, muito tem se falado nos últimos tempos sobre o poder subversivo do vírus. Ou seja, a possibilidade de se pensar formas alternativas de se viver neste mundo. A ironia é que talvez a crise sanitária atual seja a forma limite para perceber que a vida humana neste planeta está se tornando insustentável de maneira crônica e acelerada.

Não é possível postergar a sociedade alternativa que Zizek menciona para o futuro, é preciso praticá-la, no meio da crise, no aqui e agora. O pânico coletivo precisa se transmutar em ação ética e solidariedade comunitária: pagando diaristas pelos dias que não foram trabalhar, ajudando vizinhos idosos a fazer compras, pressionando empresas para proteger seus funcionários. Enfim, para reverter a crise de imaginação coletiva que nos afeta, é fundamental reinventar a solidariedade local e global no nosso cotidiano. No meio da catástrofe, existe a possibilidade de se repensar radicalmente o que queremos como humanidade e projeto político.

Veja também:

Jovem com suspeita de coronavírus no AP deixa isolamento para visitar os avós de 90 anos

STF suspende cortes no Bolsa Família após pedido de governadores do Nordeste

Coronavírus: Bahia já tem 63 casos confirmados de Covid-19

Hospitais Couto Maia e Ernesto Simões Filho passam a atender exclusivamente pacientes de coronavírus a partir desta segunda

Após críticas, Bolsonaro revoga trecho de MP 927 que permitia suspensão de trabalho por 4 meses

Vídeo de paciente acometido por Coronavírus, assusta e deve fazer repensar quem negligencia cuidados

Elinaldo decreta fechamento do comércio; aberto somente mercados e farmácias à partir desta segunda, 23

Vídeo - Camaçari registra primeiro caso de coronavírus e Bahia chega a 34 infectados

Enfermeiro fotografa impacto do coronavírus nos hospitais da Itália: 'Morrer sozinho é horrível'

Governo corta 158 mil do Bolsa Família em meio a covid-19; 61% são do Nordeste

Já são 22 os infectados que viajaram com Bolsonaro aos EUA

Mesmo em período de isolamento por causa do coronavírus, idosos formam grande fila em posto de saúde de Salvador

Ford suspenderá produção no complexo de Camaçari

Coronavírus: Contran amplia validade da CNH e de outros serviços

“Não temos um governo”, diz Lula sobre comportamento de Bolsonaro em meio a pandemia

Homem é preso por vender álcool em gel falsificado na feira de Camaçari

Infectado com coronavírus, apresentador do JN respira com ajuda de aparelhos

Bahia já tem primeiro São João cancelado por causa do coronavírus

Câmara aprova decreto de calamidade pública por conta do coronavírus

Maia se desculpa com a China por "palavras irrefletidas" de Eduardo Bolsonaro

Coronavírus: governo decreta situação de emergência em toda a Bahia

General Heleno testa positivo para coronavírus

China autoriza teste em humanos de vacina contra o coronavírus

Governo suspende aulas de todas as escolas da Bahia e proíbe transporte intermunicipal

Pandemia de coronavírus leva IBGE a adiar o Censo 2020 para 2021

Hospital Albert Einstein não consegue mais atender demanda do coronavírus

Vídeo - “Se eu me contaminei, ninguém tem nada a ver com isso”, diz Bolsonaro sobre coronavírus

Após participar de atos, Bolsonaro faz novo teste do coronavírus

Rede SineBahia suspende atendimento externo ao público

Isolamento e distanciamento social por causa do coronavírus: saiba quando e como fazer

Bahia vai processar empresário que contaminou 10ª vítima de coronavírus

Bahia vai processar empresário que contaminou 10ª vítima de coronavírus

Número de casos confirmados de coronavírus chega a 13 na Bahia

Coronavírus também está matando crianças, confirma OMS

Prefeitura adota medidas preventivas ao novo coronavírus; confira

Coronavírus: pouco caso de Bolsonaro pode custar 478 mil vidas ao Brasil

Rio de Janeiro registra o primeiro paciente com coronavírus em estado grave

Globo suspende Mais Você por conta do coronavírus; entenda

‘Bolsonaro está mais preocupado com sua vida política do que com a vida das pessoas’, diz Doria

Orientado a ficar em isolamento, Bolsonaro cumprimenta apoiadores em Brasília

Coronavírus - número de casos confirmados chega a oito na Bahia

Maia cogita acordo por WhatsApp em votações para diminuir risco de coronavírus na Câmara

Governo vai antecipar décimo para abril por conta do coronavírus; entenda

Teste de Bolsonaro para novo coronavírus dá negativo, diz presidente

Nota – Cancelamento do Festival de Arembepe 2020

Mais procurado, SUS só tem 44% dos leitos de UTI

Vídeo - Coronavírus faz gangues de macacos famintos travarem guerra na Tailândia

Organização Mundial de Saúde declara pandemia de coronavírus

Ilze Scamparini se emociona ao falar sobre avanço do coronavírus na Europa

'Ciência não se faz sem recursos', diz pesquisadora brasileira

Bahia tem aumento de 27% nas notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave

Secretarias divulgam medidas de prevenção do coronavírus nas escolas e universidades

Bolsa de valores do Brasil cai 10% e interrompe negócios

Sesab confirma 2º caso de coronavírus na Bahia

Brasil confirma mais 6 casos de coronavírus; total de 25 pacientes

Sobe para 24 o número de infectados pelo coronavírus no Brasil

Sobe para 13 casos confirmados de coronavírus no Brasil

Aumentou - Ministério da Saúde confirma 4º caso de coronavírus no Brasil

Com 530 casos suspeitos Brasil tem terceiro caso confirmado de coronavírus

Epidemia chinesa - Ministério da Saúde confirma caso positivo de coronavírus no Brasil

Criança está em isolamento por suspeita de coronavírus na Bahia

Epidemia chinesa - Homem testa positivo para coronavírus em SP; falta contraprova

Epidemia chinesa - Áustria, Croácia, Espanha e Suíça confirmam primeiros casos de Corona-vírus

Coronavírus: Itália anuncia segunda morte e Irã a quinta

Em dois meses, coronavírus mata mais que Sars

França registra primeira morte pelo coronavírus

Coronavírus - China registra 1.380 mortos e 63.581 infectados

Coronavírus - o que se sabe até agora?

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br