Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

Decisão também pediu quebra dos sigilos de outras cinco pessoas suspeitas de atuar como 'laranjas' da dupla. Bloqueio de bens de Lessa soma R$ 2,6 milhões. Defesa de Ronnie afirmou que ainda não teve acesso ao processo - Foto: Reprodução / TV Globo
Decisão também pediu quebra dos sigilos de outras cinco pessoas suspeitas de atuar como 'laranjas' da dupla. Bloqueio de bens de Lessa soma R$ 2,6 milhões. Defesa de Ronnie afirmou que ainda não teve acesso ao processo - Foto: Reprodução / TV Globo

O juízo da 1ª Vara Criminal Especializada do Rio de Janeiro decretou na noite desta terça-feira, 3, a quebra do sigilo fiscal e bancário do policial militar reformado Ronnie Lessa e do ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, acusados pela morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Segundo a Polícia Civil, a medida tem como objetivo apurar suposta lavagem de dinheiro praticada pelos presos.

 

A Justiça fluminense determinou ainda o sequestro de R$ 2 milhões em bens e bloqueio de contas da dupla. A ordem é cumprida na manhã desta quarta pela Secretaria de Estado de Polícia Civil, por meio do Departamento Geral de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (DGCOR) e pelo Ministério Público Estadual, por meio do Grupo Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Gaeco).

Entre os bens sequestrados estão uma lancha avaliada em cerca de R$ 400 mil, que pertencia a Ronnie Lessa e foi encontrada por policiais civis em um condomínio em Angra dos Reis, no litoral sul fluminense. Além dela, a lista de arrestos inclui um imóvel em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, na zona oeste, avaliado em R$ 1,2 milhão, também pertencente ao PM reformado.

A Polícia Civil informou ainda que a quebra de sigilo decretada pela Justiça fluminense vale também para Alexandre Motta Souza, amigo de Ronnie Lessa que foi preso após a Divisão de Homicídios da Capital, que apreendeu 117 fuzis incompletos em sua casa. A prisão de Alexandre Souza foi revogada depois de depoimento de Lessa.

A mulher do policial reformado e o irmão dela, presos durante a Operação Submersos, também tiveram o afastamento do sigilo deferido pela 1ª Vara Criminal Especializada do Rio, indicou a Polícia Civil do Rio.

Veja também:

Queima-de-arquivo (?) - Bebianno diz que Adriano é o Celso Daniel de Bolsonaro

Secretaria de Moro tinha ciência de ação que matou miliciano na Bahia

Lançado livro com "face obsura" do conselheiro do presidente Jair Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro: "Se houvesse uma bomba H no Congresso, acha que o povo choraria?"

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br