Galeria de Fotos

Não perca!!

Nacional

Carlos Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Carlos Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Vídeo mostra supostos registros das chamadas feitas pela portaria para as casas do condomínio

Carlos Bolsonaro negou que o porteiro que associou Jair Bolsonaro ao suspeito da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson tenha ligado para a casa do presidente no dia do crime. Um vídeo publicado no Twitter do filho de Bolsonaro, nesta quarta-feira (30), mostra supostos registros das chamadas feitas pela portaria para as casas do condomínio.

No vídeo, Carlos explica que não há registro de ligação para a casa 58, onde mora o presidente, no dia 14 de março de 2018, dia da morte de Marielle.

'Nos registros, é mostrado que às 17:13, uma solicitação de entrada foi feita por uma pessoa de nome Elcio para a casa 65. Nem antes, nem depois dessa ligação há tentativa de contato com Bolsonaro. Áudio mostra a conversa do porteiro com outra pessoa', disse.

Em seguida, Carlos mostra o registro de gravação:

'Portaria, boa tarde. O senhor Élcio'. 'Tá, pode liberar aí', 'Tá ok'.

Na gravação, Carlos explica que tem acesso à central de monitoramento porque é morador do condomínio. 'Então, não tem problema'.

Segundo reportagem do Jornal Nacional, no dia do crime, em 14 de março de 2018, um outro suspeito pelo crime, Élcio de Queiroz, foi até o local e pediu na portaria para ir até a casa de Bolsonaro. O porteiro do condomínio disse em depoimento que interfonou para perguntar se podia liberar o visitante, o que foi autorizado por um homem que ele identificou como "seu Jair".

Depois de entrar no condomínio, contudo, o suspeito não foi até a casa de Bolsonaro, e sim até a de Ronnie Lessa, principal suspeito por ter disparado os tiros que mataram Marielle e o motorista Anderson Gomes.

A citação a Bolsonaro deve levar o caso de Marielle ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que o presidente, então deputado federal, tem foro privilegiado.

A reportagem cita que apesar da identificação da voz pelo porteiro, no dia do crime Bolsonaro estava em Brasília e participou de duas votações, segundo registro da Câmara. Ele também publicou vídeos na rede social no dia em que aparece no gabinete.

Depoimento de porteiro
No dia do crime, o porteiro estava na guarita controlando os acessos ao condomínio. Às 17h10, ele escreve no livro de visitantes a entrada do visitante identificado como Élcio, com detalhes do seu carro, um Logan de placa AGH 8202. A casa que o visitante iria era a de número 58, a de Bolsonaro.

Élcio é acusado pela polícia de ser o motorista que dirigiu o carro usado na execução, horas depois da visita ao condomínio de Bolsonaro e Lessa.

Segundo o JN, o porteiro disse à polícia que a entrada de Élcio foi autorizada por alguém que ele acreditou ser o então deputado federal Bolsonaro. Em dois depoimentos, ele identificou o homem que liberou a entrada como "seu Jair".  Além da casa 58, Bolsonaro é dono também da casa 36, onde vive seu filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro.

O porteiro conta que acompanhou a movimentação de Élcio pelas câmeras de segurança e na verdade ele seguiu para a casa 66, que pertence a Ronnie Lessa. Estranhando, ele voltou a ligar para a casa 58 e "seu Jair" teria dito que sabia para onde Élcio estava indo.

Os dois suspeitos saíram do condomínio juntos, pouco depois, usando o carro de Ronnie Lessa. O carro usado no crime foi pego por eles pouco depois, segundo fontes do JN, nas proximidades do condomínio.

De acordo com o jornal, o condomínio de Bolsonaro e Lessa grava as mensagens por interfone. A polícia tenta recuperar esses dados para tentar identificar com quem o porteiro teria falado no dia do crime na casa de Bolsonaro, já que ele estava em Brasília.

O advogado de Bolsonaro negou as acusações e disse que se trata de uma invenção para tentar incriminar o presidente. Para Frederick Wassef, trata-se de uma mentira clara.

"Eu nego isso. Isso é uma mentira. Deve ser um erro de digitação, alguma coisa. É o caso de uma investigação por esse falso testemunho", disse Wassef ao JN.

MP vai ao STF
Por conta da citação ao presidente Jair Bolsonaro, representantes do Ministério Público do Rio foram até Brasília este mês para se consultar com o presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Dias Toffoli. Eles queriam saber se podem continuar a investigação normalmente, agora que uma autoridade com foro aparece. Dias Toffoli ainda não se manifestou.

Prisão
Ronnie e Élcio foram presos pela polícia em 12 de março desse ano. Lessa é sargento aposentado da PM e foi preso quando tentava fugir da casa no condomínio.

Já Élcio é ex-policial militar e foi expulso da PM em 2015 por envolvimento com a contravenção.

Bolsonaro responde
Da Arábia Saudita, o presidente fez um ao vivo no Facebook comentando a matéria. Ele fala das comprovações de sua presença na Câmara, que foram citadas na matéria. Diz ainda que o processo do caso Marielle segue em segredo de Justiça e acusa o governador do Rio, Wilson Witzel, de vazar a informação. "O senhor só se elegeu governador porque ficou o tempo todo colado com Flávio Bolsonaro, meu filho", acusa.

"Ou o porteiro mentiu ou induziram o porteiro a cometer um falso testemunho. Ou escreveram algo no inquérito que o porteiro não leu e assinou embaixo em confiança", afirma. "A intenção é sempre a mesma. O tempo todo ficam em cima da minha vida, dos meus filhos, e de quem está próximo de mim", diz. "Quero até isentar o porteiro, tenho certeza que ele não sabe o que assinou".

"Será que a Globo quer criar um fato, uma narrativa, de que eu deveria me afastar, ou de que o povo deveria ir às ruas pedir meu afastamento?", questiona, falando do momento de instabilidade em outros países da América Latina. Ele ainda atacou outros órgãos de imprensa, como a revista Época. "Deixem eu governar o Brasil, vocês perderam. Vocês vão renovar a concessão em 2022, não vou persegui-los. Mas o processo vai estar limpo, se não estiver legal não vai ter renovação", afirmou, dizendo ser perseguido "24h por dia".

Bolsonaro fala ainda que o caso de Marielle parece "estar bichado" e questiona se deveria ser federalizado - o que foi pedido pela ex-procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Depois, volta atrás e diz que isso talvez não fosse bom, atacando a Polícia Federal, "que não consegue responder quem mandou matar Jair Bolsonaro".

Ronnie e Elcio são acusados pelo crime (Foto: Reprodução | TV Globo)
Ronnie e Elcio são acusados pelo crime (Foto: Reprodução | TV Globo)

Marielle foi morta no ano passado no Rio (Foto: Divulgação)
Marielle foi morta no ano passado no Rio (Foto: Divulgação)

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br