Galeria de Fotos

Não perca!!

Nacional

Ex juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dellangnol, denunciados pelo site Intercept Brasil como 'colunhados' contra o ex-presidente Lula - Foto: Brasil 247/
Ex juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dellangnol, denunciados pelo site Intercept Brasil como 'colunhados' contra o ex-presidente Lula - Foto: Brasil 247/

Em entrevista à CBN, o ministro do STF Gilmar Mendes comenta que o engajamento por parte de procuradores e juízes tem suscitado um debate, aqui e no exterior, sobre a parcialidade da Justiça brasileira.

Os órgãos de controle falharam, assegura.

O combate ao crime não pode ser feito cometendo crime.

O ministro Gilmar Mendes, membro do Supremo Tribunal Federal, criticou a conduta de membros da força-tarefa da Lava-jato e do ministro Sergio Moro, antigo juiz responsável pelos processos da operação em Curitiba, diante das conversas vazadas e obtidas por Intercept Brasil.

A atuação proativa do juiz gerou suspeita, disse, se referindo a Moro. Mendes também defendeu que se separe o hackeamento, crime que, segundo ele, merece repúdio e punição, do conteúdo das mensagens divulgadas.

As pessoas que participaram das conversas não negaram que tenham participado, lembra.

Então, assumindo que isso se deu, há que se prestar contas.

Em entrevista ao Jornal da CBN 2ª Edição, dentro do quadro do comentarista Kennedy Alencar, Gilmar Mendes reafirmou que o Judiciário vive a sua maior crise institucional desde 1985, quando houve a redemocratização do país após a ditadura militar.

O sistema todo foi contaminado por essa coisa, critica.

Para o ministro, o país vive um momento extremamente grave, que diz respeito ao sistema de investigação, ao sistema de julgamento e à possível parcialidade da Justiça Federal.

O combate ao crime não pode ser feito cometendo crime, afirmou, em referência à Operação Lava-jato.

Precisamos ter muito cuidado com justiçamentos e justiceiros.

Mendes disse ver com desconfiança o intuito persecutório das investigações, e convocou a imprensa a refletir sobre seu papel na construção da Lava-jato no imaginário da população: A mídia se somou à operação de maneira muito acrítica, em geral.

Citando Nelson Rodrigues, completou: Toda unanimidade é burra.

Fazendo a ressalva de que a operação tem méritos e que o combate à corrupção tem que prosseguir, Gilmar Mendes acusou a força-tarefa de ter criado um Estado paralelo que integrava um projeto de poder.

O trapezista morre quando pensa que voa e, aqui, os trapezistas pensaram que voassem, declarou, fazendo outra citação — dessa vez, de Mário Henrique Simonsen.

Gilmar: Mídia abriu mão da crítica ao noticiar a Lava Jato
Gilmar: Mídia abriu mão da crítica ao noticiar a Lava Jato

Veja também:

Ministro Gilmar Mendes sobre a Lava Jato: "Que gente ordinária"

Dallagnol e Lava Jato fizeram vazamentos seletivos para manipular delações: “Vamos controlar a mídia de perto”

Tijolaço sobre último vazamento do The Intercept "O poder sem compaixão é a trilha do nazismo"

Juristas realizam ato para denunciar conduta de Moro na Lava Jato

Deltan Dallagnol chefiava facção de milícia digital, revela Intercept

Ministro do STF diz que Moro e Dallagnol não têm mais condições de exercer suas funções

“Ainda falta muita coisa para contar, e nós iremos”, informa editor do Intercept

“Podemos estar diante do maior escândalo da República”, diz Haddad sobre conluios revelados entre Moro e Dallagnol

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br