Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Nacional

O corpo do escritor e cartunista Millôr Fernandes é velado na manhã desta quinta-feira (29) no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, Zona Portuária do Rio de Janeiro. O escritor carioca morreu às 21h desta terça-feira (27), em casa, no bairro de Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Segundo Ivan Fernandes, filho de Millôr, ele teve falência múltipla dos órgãos e parada cardíaca.

O velório acontece até as 15h e depois o corpo será cremado numa cerimônia restrita aos familiares. O primeiro a chegar ao local foi o ator Otávio Augusto.

"A perda é muito grande. Uma pessoa na qual todos nós nos espelhávamos, principalmente a liberdade que ele sempre cultivava para ele, é uma coisa que a gente tenta a vida inteira. Infelizmente, vindo para cá, perguntei onde estava sendo velado o Millôr e ninguém sabia. O povo não tem acesso a esse tipo de literatura. Era um cara que através do humor fazia uma crítica social. O fim do ano passado e o início desse ano está indigesto. Perdi muitos amigos. A gente começa a pensar na idade também, né? Quem teve a oportunidade de conviver com ele sabe muito bem o que estamos deixando de ter. Não era um amigo, ele é", disse o ator.

Millôr tinha dois filhos, Ivan e Paula, e um neto, Gabriel. Ele foi casado com Wanda Rubino Fernandes. De acordo com sua certidão, Millôr nasceu no dia 27 de maio de 1924, embora ele dissesse que a data correta era 16 de agosto do ano anterior.

Em 2011, o escritor chegou a ser internado duas vezes na Casa de Saúde São José, no Humaitá, Zona Sul. Na época, a assessoria do hospital não detalhou o motivo da internação a pedido da família.

Nascido no bairro do Méier, Millôr sempre fez piada em relação ao seu registro de nascimento. Costumava brincar que percebeu somente aos 17 anos que o seu nome havia sido escrito errado na certidão: onde deveria estar Milton, leu “Millôr” (o corte da letra “t” confundia-se com um acento circunflexo, e o “n” com um “r”). Seja como for, gostou do novo nome e o adotaria a partir de então. “Milton nunca foi uma boa escolha”, comentaria anos mais tarde, durante uma entrevista. A data de nascimento também não estaria correta: em vez de 27 de maio de 1924, ele teria nascido em 16 de agosto do ano anterior.

Desenhista, tradutor, jornalista, roteirista de cinema e dramaturgo, Millôr foi um raro artista que obteve grande sucesso, de crítica e público, em todas as áreas em que se atreveu trabalhar.

Ele, que se autodefinia um “escritor sem estilo”, começou no jornalismo em 1938, aos 15 anos, como contínuo e repaginador de “O Cruzeiro”, então uma pequena revista. Ele retornou à publicação em 1943 ao lado de Frederico Chateaubriand e a tornou um sucesso comercial. Lá, criou a famosa coluna “Pif-Paf”, que também teria desenhos seus. As informações são do G1.

 

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br