Galeria de fotos

Não perca!!

Internacional

Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita, desapareceu após entrar no consulado do seu país em Istambul (Foto: Mohammed al-Shaikh | AFP)
Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita, desapareceu após entrar no consulado do seu país em Istambul (Foto: Mohammed al-Shaikh | AFP)

Jornal 'Yeni Safak' diz que teve acesso a áudio feito dentro do consulado saudita em Istambul, onde Jamal Khashoggi esteve em 2 de outubro. Desde então, jornalista está desaparecido.

O jornalista saudita Jamal Khashoggi foi torturado antes de ser decapitado no consulado de seu país em Istambul, na Turquia, informou nesta quarta-feira (17) o jornal turco “Yeni Safak”. Há duas semanas, o paradeiro do jornalista é desconhecido.

Em 2 de outubro, Khashoggi, de 59 anos, que era crítico do governo da Arábia Saudita, foi ao consulado do seu país, em Istambul, para resolver trâmites burocráticos relativos a seu casamento com uma cidadã turca. Desde então, está desaparecido.

O periódico, que é ligado ao governo turco, afirma que teve acesso a um áudio que mostra que os agentes sauditas cortaram os dedos de Khashoggi durante o interrogatório na representação diplomática saudita, em 2 de outubro. “Depois sua cabeça foi cortada até a morte”, descreve o jornal, que não deixa claro como teve acesso à gravação.

"Façam isto lá fora. Vocês vão me causar problemas", afirmou o cônsul saudita Mohammad Al Otaibi, ainda de acordo com o jornal turco.

“Se você quiser continuar vivo quando voltar à Arábia Saudita, fique quieto", respondeu um homem não identificado.

Al Otaibi deixou Istambul na terça-feira.

Imagem de câmera de segurança mostra o jornalista saudita Jamal Khashoggi entrando no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro (Foto: CCTV | Hurriyet via AP)
Imagem de câmera de segurança mostra o jornalista saudita Jamal Khashoggi entrando no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro (Foto: CCTV | Hurriyet via AP)


Esta é a primeira vez que uma publicação turca afirma que teve acesso a esse áudio. Anteriormente, o jornal turco “The Sabah” afirmou que um ele teria sido feito pelo relógio do próprio Khashoggi e recuperado em sua conta online.

Um grupo de investigadores, formado por Turquia e Arábia Saudita, fez buscas por várias horas no consulado saudita em Istambul. Uma autoridade turca disse à agência Associated Press que os investigadores encontraram uma nova evidência de que Khashoggi foi morto no local. No entanto, outra autoridade de segurança disse à rede Al Jazira que não foi encontrada nenhuma evidência conclusiva.

Investigações

As autoridades turcas acusam Riad de ter ordenado o assassinato do jornalista a uma equipe enviada ao consulado. O governo saudita nega.

O jornalista, que também tinha cidadania americana, morava desde 2017 nos EUA e trabalhou para o "Washington Post". Por isso, os Estados Unidos acompanham a investigação.

Mike Pompeo, secretário de estado americano, visitou Riad na terça-feira (16), onde se encontrou com o rei Salman e com o filho dele, o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, antes de viajar para a Turquia nesta quarta-feira. O governo saudita afirmou a Pompeo que está disposto a fazer uma exaustiva investigação.

"Foram muito claros. Compreendem a importância deste problema, estão decidido a seguir até o fim das investigações", afirmou Pompeo.

A imprensa americana chegou a informar que a Arábia Saudita cogitava reconhecer a morte do jornalista durante um interrogatório no consulado e atribuir o fato a "agentes fora de controle", o que não aconteceu até o momento.

Na Turquia, Pompeo se reunirá com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e com o ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, em Riad, na Arábia Saudita, na terça-feira (16) (Foto: Leah Millis | Pool | AFP)
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, em Riad, na Arábia Saudita, na terça-feira (16) (Foto: Leah Millis | Pool | AFP)

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br