Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner
Economia
Em: 13/08/22 - 11:48 Fonte: Estadão Conteúdo Editoria: Economia

Brasileiros entram na lista do calote por deixar de pagar gasto com alimento

A disparada da inflação e a queda na renda explicam a entrada de devedores para lista do calote pelo não pagamento da fatura de um item básico (Foto: Reprodução)

No primeiro semestre, 18% dos inadimplentes deixaram de quitar despesas com alimentação

A fatia de brasileiros que engrossou a lista de inadimplentes pela falta de pagamento de despesas com comida, entre janeiro e junho, foi a maior em cinco anos. A disparada da inflação e a queda na renda explicam a entrada de devedores para lista do calote pelo não pagamento da fatura de um item básico.


No primeiro semestre, 18% dos inadimplentes deixaram de quitar despesas com alimentação e, por isso, foram parar na relação dos CPFs (Cadastro de Pessoa Física) com restrição. Essa é a marca mais elevada desde o primeiro semestre de 2017, quando a Boa Vista, empresa de inteligência financeira e análise de crédito, começou a coletar essas informações. Ao longo do primeiro semestre, foram consultados eletronicamente 1.500 inadimplentes, a fim de traçar o perfil desses consumidores.

Contas diversas não pagas, que incluem as de educação, saúde, impostos, taxas e lazer, ainda têm sido apontadas como as despesas que têm levado a maioria dos consumidores (23%) à inadimplência. No entanto, desde o segundo semestre do ano passado, a parcela dos que não conseguiram honrar o pagamento de alimentos chama atenção.

"Instituições financeiras nos relatam que o pessoal está pegando dinheiro (crédito) para pagar contas do mercado, do dia a dia", diz o economista da Boa Vista, Flávio Calife.

Nos últimos 12 meses até julho, a inflação do grupo alimentação e bebidas acumula 14,72%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É um resultado que supera a variação do indicador como um todo no período, que foi de 10,07%.

Depois do desemprego, historicamente o principal motivo para inadimplência, apontado por 28% dos entrevistados no primeiro semestre, está a diminuição da renda, com 24%. Do segundo semestre do ano passado para o primeiro deste ano, a parcela que apontou esse motivo para o não pagamento de contas subiu 3 pontos porcentuais. "É, sem dúvida, um fato de um ano para cá", diz o economista.

Endividamento crônico

A percepção dos entrevistados é de que o quadro do endividamento pessoal piorou muito. Do segundo semestre do ano passado para o primeiro deste ano, a parcela de consumidores que se considera muito endividada subiu de 32% para 37%, a maior marca desde 2019, quando esse resultado atingiu 39%.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou para 13,75% a taxa de juros básica da economia, a Selic. Foi a 12ª alta consecutiva na tentativa de segurar a inflação. Também sinalizou que poderá fazer nova elevação da Selic na próxima reunião, marcada para setembro.

Com juros e inflação ainda em alta e atividade fraca, a perspectiva, segundo o economista da Boa Vista, é de que a inadimplência continue crescendo nos próximos meses até o ano que vem. "Juros altos contribuem para piora da inadimplência", diz Calife. Dados da Boa Vista, mostram que o calote encerrou o primeiro semestre deste ano com alta de 12,3% e em 12 meses até junho o avanço foi de 7,5%.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 
Em: 09/08/22 - 12:13 Fonte: Correio 24h Editoria: Economia

Caminhoneiros recebem auxílio com parcela dobrada

Como cada parcela equivale a R$ 1 mil, cada caminhoneiro receberá R$ 2 mil neste mês (Foto: Thomaz Silva/Agência Brasil)

Valor será de R$ 2 mil este mês para motoristas de carga

Os motoristas de carga autônomos recebem hoje (9) as duas primeiras parcelas do Auxílio Caminhoneiro, benefício emergencial para repor os efeitos do aumento do diesel neste ano. Como cada parcela equivale a R$ 1 mil, cada caminhoneiro receberá R$ 2 mil neste mês.

Leia mais...
 
Em: 25/07/22 - 08:54 Fonte: Seu Crédito Digital Editoria: Economia

O que vai mudar no Nubank a partir do dia 25 de julho?

A medida será implementada de forma gradual (Foto: Reprodução)

O Nubank anunciou novas mudanças nas aplicações das contas digitais. Entenda como vai funcionar!

Nesta semana, o Nubank anunciou uma mudança em relação ao rendimento do dinheiro aplicado na conta digital. Os novos depósitos, a partir do dia 25 de julho, continuarão a render 100% do CDI (Crédito de Depósito Interbancário), mas somente após 30 dias do dinheiro na conta. A medida será implementada de forma gradual.

Leia mais...
 
Em: 22/07/22 - 12:54 Fonte: A Tarde Editoria: Economia

Governo fará 3º corte no Orçamento Federal em 2022

Cerca de R$ 8,7 bilhões já foram bloqueados pelo governo federal este ano (Foto: Hoana Golçalves/ME)

Ministério da Economia deve anunciar novo bloqueio de R$ 5 bilhões nesta sexta-feira

Para que o teto de gastos públicos seja respeitado, um novo contingenciamento do Orçamento Federal, na ordem de R$ 5 bilhões, está previsto para esta sexta-feira, 22. Cerca de R$ 8,7 bilhões já foram bloqueados pelo governo federal.

Leia mais...
 
Em: 20/07/22 - 12:47 Fonte: A Tarde Editoria: Economia

Apesar da queda nos preços, gasolina acumula alta de 42% desde 2019

Preço médio por litro de gasolina era de R$ 4,27 em janeiro de 2019 (Foto: Rafaela Araújo/Ag. A TARDE)

Custo é motivado pelo preço do barril do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar

Com o corte de tributos federais e a limitação do teto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nos combustíveis, o preço da gasolina tem caído em todo o Brasil. Mas, mesmo com essa redução, o atual governo acumula alta de 42% no preço da gasolina. Desde 2019, os valores são expressivamente maiores do que em outras gestões.

 

Leia mais...
 
Em: 03/07/22 - 08:00 Fonte: A Tarde Editoria: Economia

Pandemia leva 1,4 milhão de pessoas para a informalidade no Brasil

Postos de trabalhos formais diminuem no país (Foto: Marcello Casal/Agência Brasil)

O maior aumento da taxa de informalidade aconteceu na região Nordeste

Entre o início da pandemia, no primeiro trimestre de 2020, em comparação com os primeiros três meses de 2022, o Brasil ganhou 1,42 milhão de trabalhadores informais, ou seja, pessoas que deixaram trabalhos formais para realizar outras funções.

Leia mais...
 


Página 1 de 308

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br