Galeria de fotos

Não perca!!

Bahia

 O GT foi criado pela produradora-geral de Justiça do MP-BA, Edilene Lourado (Foto: Reprodução)
O GT foi criado pela produradora-geral de Justiça do MP-BA, Edilene Lourado (Foto: Reprodução)

Público vai poder fazer denúncias pelo WhatsApp; equipe acompanhará casos

Para impedir que as pessoas sejam impedidas de manifestar livremente seus posicionamentos políticos, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) instituiu, nesta sexta-feira (26), o Grupo de Trabalho (GT) - que tem a missão de acompanhar e "combater violações à liberdade de manifestações políticas", especialmente casos de racismo, durante o 2º turno das eleições presidenciais, que ocorrem neste domingo (28).

Composto por promotores de Justiça, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil e das defensorias Públicas do Estado e da União, o GT foi criado pela produradora-geral de Justiça do MP-BA, Edilene Lourado. Segundo o texto da portaria, publicado no Diário de Justiça Eletrônico, há a necessidade de providências para garantir o acompanhamento de demandas relacionadas a violações de liberdade.

"Liberdades individuais e do livre exercício da participação política dos cidadãos, sobretudo no combate à intolerância política, inclusive quando praticada virtualmente ou mediante violência física", diz a publicação.

Para denunciar abusos, a população poderá entrar em contato com o GT por meio dos telefones (71) 99636-4603 e 99672-3109, que também estarão habilitados para receber mensagens de texto e fotografias pelo WhatsApp. Quem optar por encaminhar sua denuncia por e-mail, poderá usar o endereço eletrônico Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

Combate
O Grupo de Trabalho é coordenado pela promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (Caodh), e pelos promotores de Justiça Elmir Duclerc Ramalho Junior, Lívia Maria Santana e Sant'Anna Vaz, Nadja Brito Bastos e Valmiro Santos Macêdo, além de integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil e das Defensorias Públicas do Estado e da União.

O grupo faz parte de uma iniciativa nacional das pastas envolvidas. Conforme a coordenadora do GT da Bahia, o grupo irá atuar em casos de violência que atinjam os direitos humanos, com atenção especial aos casos de racismo, violência contra mulheres e população LGBT.

“Nosso objetivo é reiterar nosso dever legal e constitucional de atuação na repressão de qualquer ato de violência, intolerância ou preconceito, buscando salvaguardar o regime democrático de direito e as garantias fundamentais individuais e coletivos”, explicou a promotora de Justiça. Um plantão entre as instituições será realizado para denunciar casos ligados aos direitos humanos e à liberdade de expressão.

O GT baiano é composto, ainda, pelos promotores de Justiça Elmir Duclerc Ramalho Junior, Lívia Maria Santana e Sant'Anna Vaz, Nadja Brito Bastos e Valmiro Santos Macêdo.

Clique aqui e siga-nos no Facebook

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br