Galeria de Fotos

Não perca!!

Banner

Antonio Franco Nogueira

'(...)E será que em lugar de perfume haverá mau cheiro; e por cinto uma corda; e em lugar de encrespadura de cabelos, calvície; e em lugar de veste luxuosa, pano de saco; e queimadura em lugar de formosura'. (Isaías 3:24) - Ilustração Google
'(...)E será que em lugar de perfume haverá mau cheiro; e por cinto uma corda; e em lugar de encrespadura de cabelos, calvície; e em lugar de veste luxuosa, pano de saco; e queimadura em lugar de formosura'. (Isaías 3:24) - Ilustração Google

Te esclarecendo que o texto não tratará de nada parecido com a história de alguém que não faz nada na vida e ainda por cima conta com alguém que o assiste se, inobservando a vírgula, o título te induziu a esse pensamento, te adianto que sobre o que falaremos ainda é um segredo – aliás um gostoso segredo, porém não me lembro de nenhum texto publicado aqui, que tenha me trazido tanta alegria, mas também tanta responsabilidade e temor, como o que vai se seguir. E justo por isso, para descontrair um pouco:

Acredite que, eu tenho tanto, pra te falar, e com a Palavra, vou te dizer, como é grande, o amor de Deus, por você! Porém...

Porém claro que você sacou que a frase acima não é minha, mas trata-se duma paródia duma música famosa, dum cantor também famoso. Até mais famoso do que o prefeito da tua cidade e do que o governador do teu Estado, e até mais famoso do que o presidente do teu país, estes que não tem estado na tua casa, para papear contigo sentados no sofá da tua sala, mas a minha pessoa, sendo eu o menos famoso de todos estes, O mais famoso de todos nós incumbiu de te dizer tudo o que te será dito aqui; o que me foi dito, como talvez esteja acontecendo contigo mas que, distraído/a, tu não tem se dado conta da honra que a ti tem sido dada, não com Ele sentado na sala da minha casa, mas à beira de minha cama, o que reporta à uma intimidade bem maior, que não deve ser desprezada, já que Quem está, esteve, ou estará, afagando os nossos cabelos enquanto dormimos é O que manda no prefeito, no governador, no presidente e no cantor, ali para nos revelar, como me revelou, crendo eu que à outros também, mas que a mim aconteceu de forma muito especial, o que se ainda passará, e o que "já foi", e porquê assim tudo se passou. Portanto, não somente considere que esse Famoso quer papear contigo no recôndito do teu quarto, mas sobretudo que, se você está aqui lendo isso, é por que é realmente grande o Seu amor por você! Dito isto, e acreditando que tudo acima dito, além duma pitada de curiosidade, já se acomodou no teu coração, deixa aí de lado um pouco o que você tiver fazendo, e vem comigo que vai ser de muito bom à extraordinário!

Acredito que você já deva ter ouvido alguma pregação, pregado, lido nas Escrituras ou, quando nada, ouvido algum comentário sobre que o mais Famoso, ou melhor, que Jesus andou sobre o mar, e que também, noutra situação, Ele disse que faria de Seus discípulos pescadores de homens, e que certamente o significado literal dessas duas intrigantes analogias anda te inquietando, à parte do que alguns pregadores tem dito que venha a significar tais passagens, afora um bom tanto doutros irmãos que tem se esforçado para entender ou explicar os mistérios embutidos nestas duas citações, se acertando ou não eu não sei, mas que, pelo sim pelo não, aqui estou para te trazer o que a mim me foi revelado acerca das duas questões, que é absolutamente diferente do que no geral se tem pregado ou entendido. E não somente isto, mas muito mais. E bota muito mais nisso, se é que você se interessa em saber das coisas pelo fim de não quer ser surpreendido/a mais, e quem sabe logo, adiante. E se por acaso, pastor ou pregador “distraído”, sua nobreza tiver alguma diferença comigo, por causa dalgo [sobre o Evangelho] que a ti tenha sido dito por mim, para vida e não para morte, “no pau do teu nariz”, sugiro à sua nobreza, se livrando da mínima raiz de amargura contra a minha pessoa, se guardar de não ler o texto e seguir cego do que você precisa saber, se sua excelência não já souber, que tudo, como você sabe, se é que disso você sabe mesmo e tem levado esse aviso das Escrituras à sério, todos nós daremos conta de cada passo que tivermos dado e feito outros darem com os próprios pés seja para a vida e muito mais ainda se tiver sido para a morte. Portanto, vamos em frente, porém antes....

(...)Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim.

Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade.
(Isaías 46:9,10).

Eu não sei se você já leu em outro desses textos, digo dos que tenho publicado – e isso tem tudo a ver com sua nobre pessoa como logo verá, que em alguns momentos, desde que orando ou falando do Evangelho, um cheiro de perfume enche o lugar. Às vezes, somente as vezes, uma ou outra pessoa que estiver comigo também sente. O que já aconteceu a meu pedido à Deus, para que pessoas à quem eu digo que isso está acontecendo, creia que não estou “variando”, e acredite que Ele quer sim nos dizer alguma coisa, por misericórdia, através desse pobre servo que te escreve. Uma dessas pessoas foi meu colaborador doméstico, depois minha esposa, depois minha falecida sogra, entre umas outras duas ou três pessoas das quais não me recordo agora; todas que sentiram o cheiro dum perfume muito especial, parecido que feito de rosas, quando conversávamos sobre o plano de salvação de Deus. Fato é que, noite dessas, tive um sonho onde Jesus me dizia que se eu “espremer os evangelhos de Mateus e Marcos, vai exalar perfume”. Okey, até aí, estava claro que se eu lesse e relesse esses dois evangelhos, certamente que Ele me revelaria algo novo. Porém, meditando no sonho durante o dia, me recordei que nele houve uma fala de que isso, digo a leitura, deveria ser feito em “três porções”, e que somente não deveria ser em porções “a mensagem inteira”. Então ficou claro que eu deveria meditar nas escrituras dos dois discípulos indicados, em três porções de leitura – de certo por Ele saber das minhas limitações físicas, e que eu não conseguiria aguentar/assimilar tudo duma única vez, dado a se tratar de 44 capítulos, e grandes capítulos, e conforme o que me fosse revelado, tudo deveria ser trazido aqui, agora sim, numa “mensagem inteira”. Mensagem que sua pessoa se encontra lendo, para alegria minha, felicidade sua e louvor de Deus.

Só que era ainda mais gostoso do que apenas revelações que me seriam feitas durante a leitura. Que ao me encontrar enclausurado em meu quarto com a Bíblia aberta diante dos olhos, ao chegar em determinados trechos que me chamavam atenção como antes eu nunca havia refletido, e parar de ler e me pôr a pensar no que viria a ser aquilo que eu estava lendo, eis que o perfume enchia o quarto. Então, lembrando desse mistério d’Ele comigo por essa ferramenta, logo lembrei do sonho, o do perfume que Ele disse que exalaria se eu fizesse a meditação recomendada. Eu não sei você, lendo isso, mas de pensar que quem havia estado à beira da minha cama comigo dormindo, e agora ali, comigo ACORDADO, e tendo me avisado que viria, não era o prefeito, o governador e nem o presidente, relés mortais que não andam fácil na casa doutros mortais, muitas vezes pela soberba e poder que carregam e que pensam que não terá fim, mas sim O Criador de Tudo, inclusive do prefeito, do presidente, do governador, do cantor, de mim, de você, ainda que eu tentasse eu jamais conseguiria expressar o tamanho da minha alegria mesmo que eu escrevesse um livro. Cara, é um negócio tipo uma indescritível felicidade misturada com temor – pela responsabilidade, com sabor de euforia, que não dá para dizer. E isso medindo por baixo. É uma coisa extraordinariamente inexplicável. E há ainda um evento – o que deve te fazer refletir se no teu pensamento houver algo como não considerar o que você lerá aqui - que ocorreu no segundo ato da leitura, agora meditando em Marcos [primeiro eu li os primeiros 14 capítulos de Mateus, depois li os 16 capítulos de Marcos, e no terceiro dia voltei à Mateus para ler os 14 capítulos finais], que foi que num dado momento o perfume não somente encheu o ambiente, mas impregnou a minha mão direita, e somente na minha mão direita eu senti o perfume; nessa hora porém como um incenso aromático. O detalhe é que, ao sair do quarto depois de horas e horas lá, e tendo o aroma desaparecido, comigo já na sala, eu vi que eu estava muito suado, com minha mão suada entre os dedos, inclusive com a inhaca característica de algo que soa, enxuga e volta soar várias vezes, o que me é peculiar, pela paralisia dos meus dedos, devido à tetraplegia quando eu forço um pouco o tempo sentado. Então, sentindo aquele cheiro bem diferente do aroma de dentro do quarto e na minha mão direita, fiquei ainda mais maravilhado. Só que, lembra da responsabilidade que eu sentia sobre meus ombros, misturada com a alegria e temor, pelo acontecido se eu sabia para que fim aquilo estava acontecendo, e do que eu te disse que na tua mente não deve subir o mínimo pensamento em não considerar como serio o que você está lendo e lerá nesse texto? Pois é, o perfume não impregnou o meu corpo todo, mas somente a minha mão. E sabe por que Ele quis fazer assim? Para dizer a mim e a você que Ele tem reputado como bendita a mão que está te escrevendo essa mensagem, como uma mão que oferece incenso à Ele. E pelo cheiro, Incenso aceito! Aleluia! Mão que é e x a t a m e n t e a única que eu uso para escrer devido a esquerda não poder participar em nada na escrita. Se quiser vibrar aí comigo pode, que não é somente a mim que Ele mostra aceitação, mas Ele quer abençoar, ou abençoar ainda mais, também aos olhos que estão e que ainda estarão lendo isso!

(...)E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;
(Apocalipse 5:9).

Agora, já te servindo de uma das revelações que recebi para te trazer, quem é minimamente conhecedor das Escrituras sabe, que quando a Bíblia fala de mar, e por isso não mares, posto que se trata de um e não de dois ou de três mundos, ela está se referindo a povos, línguas e nações. E apesar de ter havido quem pregue que o fato de o apóstolo Pedro ter começado a afundar quando andava sobre o mar na direção de Jesus representar que trata-se duma alusão à que morre quem perde a fé, e é isso mesmo que acontece quando alguém deixa de crer em Deus, se alegre com o maior mistério da passagem, que está no fato de O próprio Jesus caminhar sobre as águas - passagem que deve ter levado não poucos crentes, digo crentes leitores de Bíblia, a se fazerem perguntas, quem sabe, desde que a Bíblia foi escrita, justamente devido a sim, preciso concordar, é de dá nó nas veias cerebrais (para mim também era até então) esse negócio e a razão por que houve o evento de o Senhor caminhar por cima d’água. Que quando na minha meditação eu parei em Mateus 14; 25, o perfume encheu o quarto, hora em que recebi o entendimento de que o mar ali representa os povos de todas as línguas e nações restantes, que O terão negligenciado, das quais Ele comprou um povo para Ele, como bem diz Apocalipse 5; 9, nações acima das quais Ele está, e que na Sua vinda estarão sob os Seus pés, numa clara alusão ao Seu reinado milenar – quando Ele, agora sim, será Rei sobre TODAS as nações e povos e línguas. Por isso o mar sob Seus pés, naquilo que é uma linda e extraordinária metáfora que esta tarde me foi revelado. E que todo cuidado é pouco para os que de nós caminhamos na direção d’Ele, que se fraquejarmos na fé durante a caminhada o mundo nos engolirá com suas ofertas temporais e malignas, e aí seria morte certa mesmo. O que está sim prefigurado no evento do quase afundamento de Pedro, e não à toa o caso se deu com o mesmo apóstolo que negaria a fé três vezes. Mas que, Lhe pedindo socorro e sendo por Ele socorrido, também nós, os crentes salvos, subjugaremos as nações ímpias, por isso o apóstolo volta a estar de pé juntamente com Ele sobre as águas. Se ligue que isso é revelação vinda direto da Sala do Trono.

(...)Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar. (Mateus 14:25).

E se você tem prestado atenção, o evento não à toa acontece na Quarta Vigília da Noite, ou seja, conforme a medição judaica do tempo, no meio da madrugada. O que, conforme em Cantares 5, onde Ele, ao bater na porta da Mulher, naquela situação uma prefiguração d’Ele e a parcela da Igreja distraída – por isso ela demora para abrir a porta e quando resolve abrir Ele já tinha se ido, diz que seus cabelos estão “cheios do orvalho da noite”, o que é uma dica preciosíssima de que não ocorrerá nem durante o dia nem no início da noite a Sua volta, mas em algum momento durante a madrugada, período em que cai orvalho sobre as coisas. E se você quiser mais uma boa centelha de alegria, sugiro dar uma meditada no verso 1 de Cantares 5, somado com Lucas 22; 18, que você vai vibrar.

Falando em boa vibração, esses dias eu ouvi dum pregador americano, que um outro pregador, acho que também um evangelista americano, já falecido, dizia que se cortassem os braços dele, ele sangraria a Bíblia. Outra coisa que me fez vibrar na alma, foi quando vi ele dizer que viver o Evangelho é algo tipo alguém falando do Evangelho a alguém, tendo ao lado uma terceira pessoa que o chama para falar sobre outro assunto e que ele vira o rosto para essa pessoa e ao trocar com ela duas palavras, ele não consegue continuar naquele assunto por mais que o tema pareça interessante, então ele volta o rosto para quem ele falava sobre Jesus, e continua com o assunto Evangelho POR NÃO ACHAR NADA MAIS INTERESSANTE PARA OCUPAR O SEU TEMPO QUE O Evangelho. Ao ouvir isso, tanto do “sangrar as Escrituras”, quanto o não achar nada mais interessante do que o Evangelho para se ocupar, foi como música da boa aos meus ouvidos. E ao me deparar com Mateus 22;37, com Jesus dizendo que o maior dos mandamentos é “amar a Deus de todo o nosso coração, de toda a nossa alma e de todo o nosso pensamento, e lembrar que fazia pouco eu havia escutado, sobre eu ocupar tanto o meu tempo com coisas “do evangelho”, algo do tipo, que “tudo de mais é sobra”, e estando vivenciando o que você já sabe de uma pequena parte, dentro daquele quarto, advinha como ficou meu coração ao saber desse ocorrido com aquele evangelista, se eu e outros tantos sabemos o que há reservado para nós “do outro lado”? Acertou se disse que ‘andei’ para o que eu havia escutado. E quem sabe por isso mesmo eu recebi não somente a primeira, mas também a segunda visitação naquele quarto? Visitas que eu classifico, a da noite anterior, como a panela, e a da tarde seguinte, como a tampa. Ah, há. (...)E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento (Mateus 22:37), e é MESMO o que realmente importa, se tudo isso que nossos olhos veem, na configuração que os nossos olhos veem, vai passar.

Na passagem de Jesus por um certo lugar, lugar que deve ser considerado como a vida de muitos, conforme um dos trechos das Escrituras que eu recebi a ordem para espremer, diz que (...)O povo, que estava assentado em trevas, Viu uma grande luz; aos que estavam assentados na região e sombra da morte, A luz raiou. (Mateus 4:16). E o que está escrito nesse versículo, por favor eu te peço, você deve guardar bem guardado aí num cantinho do teu coração, que daqui uns minutinhos eu vou voltar a esse assunto, seja você o que prega ou o que ouve, para a gente alinhar o negócio; negócio onde reside uma estrondosa revelação, quem sabe a principal delas, que me foi feita no “quarto do perfume”, que vai fazer teu corpo todo tremer. Pois há algo que eu preciso ainda te contar, que tem muito a ver com esse negócio de viver o Evangelho mais do que viver o mundo, e como Jesus acode os que assim agem, apesar das aflições que acompanham e ainda acompanharão o crente até que Ele venha. E Ele virá. Quando então nossa alegria será plena, definitiva.

(...)Tornaste o meu pranto em festa; desataste o meu pano de saco, e me cercaste de alegria, (Salmos 30:11).

Há uma serva de Deus, residente em São Paulo, de quem inclusive falei em outros textos, que é sempre visitada em sonhos - sonhos que sempre manda para mim, a ver se há alguma mensagem. E dias atrás ela me mandou um sonho em que eu inclusive figurava como personagem, onde ela via um homem, que ela acreditava ser o próprio Jesus, em uma ponta, ao lado dela, e no meio, entre ela e outra irmã, estava eu. Ela tinha nas mãos um macacão marrom, cuja cor parecia de saco de linhagem, bem dobrado, roupa que ela diz que gostava muito de usar. Nesse momento ela vê o Anjo dizer para ela dar o macacão à missionária ali conosco. Então ela resiste, dizendo que o macacão era dela. Nessa hora eu, que estou entre as duas, lhe dou uma ordem, segundo ela mesma, uma ordem firme, com autoridade, a mandando que entregasse o macacão e que a outra o vestisse. E acaba o sonho.  

Eu tenho dito que Jesus sempre usa nos sonhos, símbolos e elementos com os quais somos familiarizados, da mesma forma a mesma usa figuras de linguagem que usamos, quando vai dar a interpretação, para que a mensagem, que antes parecia um novelo de lã embaraçada, ao ser destrinchada fique claro como cristal e assegurado que homem nenhum é que a destrinchou, mas Ele próprio, conforme em Gênesis 40; 8, com o fim de a pessoa não desprezar as orientações que Ele está nos passando. E quem conhece de Bíblia, sabe que quando se fala de alguém vestir pano de saco, está se falando dum sujeito que está triste e com o coração quebrantado, carecendo de O buscar. Da mesma forma que nós sabemos que, conforme o contexto, macacão reporta a roupa de trabalho, e se estamos falando de pessoas que vive o Evangelho mais do que vive a sua própria vida, a figura do macacão na cena não quer dizer coisa diferente. Então ficou claro que a ela, que anda sofrendo não poucas perseguições, principalmente por parte de “irmãos e irmãs distraídos”, por assim dizer, uma dessas perseguições bem recente conforme me reportou; que tem sofrido discriminação por fazer a Obra sozinha; além de problemas com familiares, e outras faltas tantas, inclusive dum companheiro – casada com o Evangelho que há anos ela se encontra, será aliviada da carga de trabalho, e da vergonha, por isso o macacão sendo passado para outras mãos, à quem será dado a “experimentar” não somente a labuta mas também os momentos de suplicas pela misericórdia de Deus, que ela tem vivido, por isso a cor de pano de saco no macacão; e que nas lutas e labutas que ela vem enfrentando Jesus está “do lado dela”, por isso a figura d’Ele ao seu lado e não ao lado da outra na cena do sonho, que não à toa é exatamente uma das pessoas que lhe tem causado muita tristeza; e que este pobre servo que te escreve, é tomado como Seu Assistente, por isso eu, diante da recusa dela ao comando do Senhor, para que entregasse o macacão, lhe dou uma ordem firme para que entregue, como quem a adverte sobre o respeito à ordem do Salvador, como um Imediato - se falássemos de tripulantes dum barco. Contudo, como em muitos de nós, nela há um quê de distração sobre o que Deus tem nos ordenado e desejado para nossas vidas, mesmo quando Ele quer nos aliviar da carga, o que está prefigurado na sua recusa a entregar o macacão diante da ordem d’Ele, que muito provavelmente tem no pensamento a promover de posto e não de demiti-la, se trata-se dum funcionário exemplar e não o contrário, que é o que bem acontece quando o Chefe, que conhece o esforço do operário para cumprimento do seu dever, pede ao trabalhador o seu macacão, ainda mais se estiver Ele em pessoa ao lado do trabalhador. E nada deve nos levar a isso, de nos distrairmos diante das oportunidades advindas do Céu, por mais que estejamos acostumados com as perseguições e desejemos tanto fazer a Obra, por isso ela agarrada ao macacão, porém, além de te mostrar que Jesus está vendo todas as perseguições que o crente sofre, e que Ele estará sempre do lado do perseguido – o que cabe você refletir onde você se encaixa nesse momento, se no lugar de quem está passando ou recebendo o macacão, porém é ao fato de Ele ter me tomado para Assistente que eu quis chamar a tua atenção – e isso por você e não por mim, te contando essa experiência vivida por essa irmã, tendo Deus me posto como personagem desse sonho, e cumprindo o papel que você acaba de acompanhar. E isto por quê? Ganha um doce se adivinhar, antes de o texto acabar.

Sobre a transferência da carga duma para outra pessoa, ou de Ele preferir essa no lugar daquela, para o caso de você achar estranho devido o pregador ter te dito que “para Deus todos somos iguais”, e por isso você acabar perdendo a sua benção, na minha meditação em Marcos e Mateus, muito me chamou atenção o fato de em três ocasiões Jesus ter escolhido apenas três dos seus discípulos, e nas três oportunidades sempre os mesmos três, para estarem com Ele em determinados momentos, e num desses momento, aliás, num especialíssimo momento, além da ressurreição da filha de Jairo (Mateus 9 e Marcos 5), judeu maioral da sinagoga, ela, conforme Ele mesmo me disse, como uma figura da Igreja judaica, por isso 12 anos, representando 12 Tribos, que ainda dorme e será despertada por Ele; e do momento da Sua agonia, quando em vias de ser entregue por Judas aos sacerdotes judeus, que somente permitiu a Pedro, Tiago, e João - e atente que a Bíblia cita esses mesmos três sempre nessa mesma ordem, que isso não é à toa, que o acompanhasse na hora em que Ele subiu ao monte da transfiguração. Mas não há nada mais instigante do que o observado nos versos 2 de Marcos 9, e no versículo 1 de Mateus 17, que versa sobre “seis dias depois”, e logo em seguida a haver escrito, nos dois últimos versículos do capítulo anterior, em Mateus 16, que Ele sobe ao monte onde faz a extraordinária revelação que fez, não somente se transfigurando num Ser celestial, mas mostrando vivinhos da silva Moisés e Elias, os dois em glória, porém, um deles que havia morrido dois mil anos atrás, como dito, logo após Ele ter dito que voltará para reinar de fato, se sabemos do quão metafórica são as Escrituras e que nelas há registrado que, (...)não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia, conforme em 2 Pedro 3:8. Então, por que “seis dias depois” e não “quase uma semana depois” [apesar de Lucas 9; 28 dizer de 'quase 8 dias depois, o que aponta para o dia Oitavo, ou Dia eterno - o Domingo, que da sequencia ao Sábado, que abrirá uma NOVA semana que jamais se findará], ou mesmo “uns dias depois”? Se eu e você já sabemos que Jesus sempre falou e ainda fala somente por metáforas – os sonhos que o diga -, e se sabemos que quando as Escrituras falam que a Criação terrestre foi feita em “seis dias”, e que Jesus diz que o “Pai trabalha até agora, e que Ele trabalha também”, conforme em João 5; 17, e que todos sabemos que uma semana é composta de 7 dias, sendo o sétimo um sábado, sábado que indica o dia em que, quando da Sua volta, Ele reinará por mil anos sobre a Terra (mil anos como um dia, lembra?), se também sabemos que de Adão para Jesus contam-se 4 mil anos e de Jesus para cá contam-se quase 2 mil anos, ou seja, SEIS DIAS MILENARES, e que em Mateus Ele diz que (...) se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias (Mateus 24:22), LOGO NOS DIZENDO QUE O EVENTO DA TRANSFIGURAÇÃO E A CITAÇÃO DOS “SEIS DIAS”, DEVE NOS FAZER REFLETIR DO TEMPO DE Ele SE MOSTRAR GLORIOSO E QUE O Sábado DO Seu Reino, ESTÁ QUASE CHEGANDO, me diz se dá para passar ao largo da minha e da tua pessoa aquilo ali registrado? Se ali está claro que o que Ele quer nos mostrar, é mesmo que o que Ele vinha e vem dizendo é tudo Verdade? E ainda careço de acrescentar que aquele evento no monte, afora outros tantos milagres, que também deixa claro que, conforme os três apóstolos ouviram da própria boca do Pai, que deveriam ouvir a Jesus - indicando que a Lei, na figura de Moisés, e os profetas, na pessoa de Elias, ficaria para trás dali em diante, apóstolos que até então eram regidos pela lei mosáica, contribuiu deveras demais para que os apóstolos sofressem os martírios que sofreriam por seguros que estavam do que estavam fazendo. Assim, além de que sim, Jesus escolhe mesmo a dedo a quem quer se revelar, crendo como creio no que dizem os sonhos e as visões, conforme me tem, e à alguns outros, sido revelado, e no que as Escrituras denunciam que sim, tanto as bênçãos quanto as cargas podem ser sim transferidas, se isso te cabe te sugiro não somente crer, mas também temer. E não somente crer e temer, mas vigiar no que você tem nutrido no seu coração e feito contra alguém que, apesar de você, tem achado graça aos olhos de Deus sem que você jamais tenha notado! Sobre a preferência por Pedro, Tiago e João, ainda voltarei noutro texto, conforme Ele queira me revelar, para te dizer por que SEMPRE esses três e ainda sempre os citando nessa mesma ordem. Mas em Pedro há a dica de quem representa o início da Igreja, no que tange ao Altar, e João a pessoa a quem Ele revelaria o que acontecerá no final, basta que você leia Mateus 16; 16-19, e o livro de Apocalipse. E sobre Tiago, além de que não é à toa que ele figura como único apóstolo que escreve numa pegada só às 12 Tribos que andam dispersas (Tiago, ou Ya'akov, em hebraico, que é = Jacó, de quem saíram as 12 Tribos, como você deve saber, por isso ele unicamente entre os apóstolos se dirige às 12 Tribos, como o pai, Jacó, falando para seus filhos, logo trata-se doutra metáfora) que adverte sobre a falta de fé e às dúvidas, além do cuidado com a acepção de pessoas – isto no sentido da pregação do Evangelho, ainda que não sejamos filhos por nascença, mas adotados, a dica primordial que ele dá é que seguremos a nossa língua devido ao mal avassalador que ela pode provocar se mal utilizada. Somente como dica, que o miolo disso, quem sabe, ainda te trarei aqui. Mas enquanto isso, meditar nos cinco capítulos do livro dele, do apóstolo Tiago, é outra dica primorosa.

Pausa:

(...)Depois reuniu Josué todas as tribos de Israel em Siquém; e chamou os anciãos de Israel, e os seus cabeças, e os seus juízes, e os seus oficiais; e eles se apresentaram diante de Deus. Josué 24:1.

Sigamos:

Mas, por que é tão importante te chamar a atenção para esse negócio do Assistente? Então aqui eu te pergunto: se vivêssemos numa monarquia e você, rebelde, e completamente alheio às coisas do reino e menos interesse ainda tivesse para com o que acontece dento do palácio [se quiser levar a analogia para uma administração federal, estadual ou municipal, fique à vontade], e de repente você e alguns da sua vizinhança se visse diante dum perrengue que poderia te destruir, cuja solução estivesse unicamente com o rei [ou prefeito, governador ou presidente, caso ainda prefira], a quem você faz oposição, somente pra te lembrar, e mais do que de repente passasse em frente à tua porta, com uma carta de salvo conduto nas mãos, com as palavras e a assinatura do rei, para dar a alguns poucos, justamente o cara que assiste diante do rei, o que você faria? O convidaria para num cafezinho chorar tuas pitangas, ou lhe daria uma cusparada na cara? Observando que Josué logo aí acima, foi quem convocou o povo, mas que lá está registrado que não foi diante de Josué que o povo se apresentou, mas sim diante de Deus, em nome de Quem Josué falava, vá pensando aí e, a menos que sua opção seja pela cusparada, depois de terminar de ler o texto você se responde. E sobre minha responsabilidade acerca do que eu estou te dizendo, pode deixar que eu bem sei o tamanho dela.

Mas ainda na questão “perrengue”, há uma coisa da qual não se deve esquecer. E nisso eu invoco ainda mais os que leem Bíblia, porém advirto os que se propuserem a dar ouvidos ao Assistente – e quando digo assistente, o digo incluindo a todos os que assistem diante do Rei e a quem Ele tem contado seus segredos [que Deus abençoe mais e mais a vida do pastor Paulo Borges Junior], e qual coisa é esta? Sabe as pessoas que só clama a Deus quando precisa ser “abençoado”? Pois é: quem você acha que se saiu melhor, dos dois ladrões que foram crucificados com Jesus, o que que pediu para que ele fosse lembrado quando o Senhor entrasse na Glória, ou o que pediu para que Jesus se salvasse daquela situação e a eles também? Muito bem se disse que o que preferiu entrar na Glória. Que, como bem diz o pastor Borges, enquanto um preferiu ser curado, o outro queria apenas ser sarado, e acabou nem sarando nem curando, se é que você me entende. Outra coisa ainda importante que bem lembrou o pastor Paulo Borges Junior, para os que pedem a Deus que os sarem com o fim de apenas viver mais um tempo, e quem sabe viver por muito tempo uma vida dissoluta e sem amor ou misericórdia, é que, se fosse o propósito de Deus longevidade de vida nessa vida, Jesus não morreria com 33 anos, na flor da idade, e sim, quem sabe, com mais de 80 anos. Assim, como bem lembra o pastor, tanto Jesus, quanto o ladrão salvo, cumpriram seu propósito. E aqui acrescento eu, e o digo por divina revelação, que cumpriu o propósito todos três, Jesus como Salvador, um dos ladrões como a parte do mundo que O aceita, logo a parte a ser salva, e o outro como a parte do mundo que O rejeita, logo a parte a ser condenada. Sendo então o ladrão da esquerda, logo à direita do mundo, ou de quem olha para os três na cruz - e se à direita do mundo não estará jamais a direita de Deus (pensando em quem você “anda ovacionando”, olhe para a cruz no momento da crucificação, veja quem estará a tua direita e depois tente vislumbrar se o mesmo sujeito à tua direita está à direita ou à esquerda d’Ele, e tente me contradizer, que aquilo não é uma metáfora para se refletir), uma figura do que dizem as Escrituras, sobre que Ele veio para todos, mas nem todos O aceitaram, ainda que todo o mundo esteja embaixo de Seus pés. Mas fazer o quê, se um monte continua preferindo a vida com prazo de validade...?

Mas é natural, para quem não viveu ainda nenhuma experiência com Deus, esse negócio de preferência pela vida com prazo de validade, uma vez que, para vergonha de quem se encontre em situação semelhante, a depender do tempo no Evangelho e se abençoado/a com a dádiva da leitura, há inclusive crente, do que eu sou testemunha, que ainda não sabe do registro bíblico, e por isso tanta fé rasa, e não à toa o registro é no livro de Mateus, um dos dois que me foi recomendado, que versa que (...)Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras; E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos (Mateus 27:50-53), devendo ter você, se também se trata dum/a desconhecedor/a das coisas bíblicas, o cuidado de não confundir a palavra “santos”, com o ‘são fulano, são cicrano ou são beltrano, ou seja lá quem mais dos são for em quem você acredite, desses que carecem de serem carregados, que tem boca mas não falam, tem nariz mas não cheiram, tem olhos mas não enxergam, tem ouvidos mas não ouvem, mas se ater ao exemplo, afora a ressurreição d’Ele próprio, da ressurreição de pessoas mortas e decerto que havia tempo de sepultadas, que logo depois de Sua ressurreição saíram andando pela cidade, para testemunho de que tanto Ele quanto Sua promessa são reais. Do que você agora pode conferir, posto sua Bíblia aí ao seu lado, e se não aí em sua casa, de certo que te aguardando nas livrarias do gênero, além dos sonhos que Ele certamente de dará se você Lhe pedir, se justo para te dar acesso direto à Ele, é que ela, a Bíblia, registra que o véu do templo se rasgou – véu  (tipo de cortina) que no passado, no tempo de Moisés, limitava o acesso do povo comum à Deus; véu que Jesus fez se rasgar. E não somente se rasgou, mas se rasgou DE ALTO A BAIXO, o que quer dizer que com o Seu sacrifício Ele não permitiu que restasse uma farpa sequer que dificultasse teu acesso a Ele. Sobre o véu que se rasgou, que media 18 metros de altura e 9 de largura, há registros que dizem que era dum tão grosso, aliás tecido de linho torcido, que nos seus 12 centímetros de espessura resistiria até a dois cavalos o puxando, um numa e o outro noutra de suas pontas, e se partiu SOZINHO, sem absolutamente ninguém o tocar assim que o sacrifício de Jesus foi consumado. E tudo para que Ele te ouvisse a qualquer hora que você resolver ter uma experiência com Ele, enquanto ainda há tempo, claro, que morto não fala, como eu e você sabemos. Quer ver faça o teste.

Me permita:

(...)Se aquele que ouvir o som da trombeta, não se der por avisado, e vier a espada, e o alcançar, o seu sangue será sobre a sua cabeça.

Ele ouviu o som da trombeta, e não se deu por avisado, o seu sangue será sobre ele; mas o que se dá por avisado salvará a sua vida. (Ezequiel 33:4,5).

(...)A ti, pois, ó filho do homem, te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; tu, pois, ouvirás a palavra da minha boca, e lha anunciarás da minha parte. (Ezequiel 33:7).

Pois é, e lembra do perfume que subia no quarto sempre que em algum ponto da leitura algo me seria revelado? Sabendo você que a “trombeta” aí acima, em Ezequiel 33, nos versos 4 e 5, é a mesma “voz” que vem direto da Boca de Deus para a Boca dos que Ele tem levantado para avisar ao povo que dorme a morte vindo, descrita no versículo 7, essa aí à baixo foi uma das leituras durante a qual a fragrância encheu o lugar. E mais, esse foi um dos momentos em que minha mão ficou cheirando a incenso aromático, que quero que você leia meditando e veja se algo de novo te chega ao conhecimento, diferente do que costumeiramente você tem entendido sempre que meditou nesse trecho. E medite profundamente, que a ideia não é somente desejar estar sempre com a cara enfiada na Bíblia, ou tendo experiências sobrenaturais com Ele, mas desejar definitivamente ser participante do que Ele nos promete e revela nessas palavras.

(...)E sem parábolas nunca lhes falava; porém, tudo declarava em particular aos seus discípulos.

E, naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes: Passemos para o outro lado.

E eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos.

E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia.

E ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos?

E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança.

E disse-lhes: Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé?

E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?
(Marcos 4:34-41).

Bem, se Ele fala conosco por metáforas e usa figuras de linguagem que conhecemos quando nos dá os sonhos e a interpretação, estou bem à vontade para te dizer que Ele faz conosco também “pegadinhas”; tudo com o fim de nos fazer pensar, meditar, como se num psicoteste. Então lá vai: 01 - de cara na abertura do versículo 34, Ele nos dá a dica de que não falaria ao povo “da geral”, nada de forma direta, e sim por parábolas, dando uma dica a cada um de nós que fosse ler o que ia se seguir, que nada do que o Espírito Santo iria inspirar no futuro o escritor seria para ser entendido como literal, ou limitado a um simples evento marítimo O envolvendo com Seus discípulos, mas que aos “mais chegados” Ele declararia tudo em particular. 02 – Deixar “a multidão”, e “O levarem consigo, assim como Ele estava no barco”, tanto como a observação a que “havia com Ele outros barquinhos”, esconde coisas maravilhosas, como a indicação de que ‘deixar a multidão’ significa que não podemos estar no Seu barco [Evangelho], e muito menos tê-Lo conosco [no coração], se não deixarmos e subjugarmos ‘o mundo’, e ainda que os “outros barquinhos – e não muitos barquinhos”, que ia com Ele, naturalmente atrás ou, quando muito, ao lado, indica hierarquia entre todos na Caminhada, por isso termo no diminutivo, ‘barquinhos’, no referente ao barco em que Ele estava frente aos demais barcos – hierarquia que nada tem a ver com grandes igrejas ou títulos frente a ministérios “menores” e tampouco diz do pastor frente ao crente “comum” , falando porem de quem se doa e até a vida está disposto à dar em favor do Evangelho. 03 – Satanás usará o mundo para tentar “afundar” o Evangelho – posto que no verso 37 é o Diabo no vento, mas que ele sempre será interpelado pelo Senhor. Por isso, quando se dirige à ventania Jesus “o repreende”, claramente nos mostrando que se trata do Diabo tentando impedir o trabalho – não à toa o outro lado era uma província chamada dos gadarenos, onde Jesus expulsaria uma legião de demônios que ele, o kapiroto, bem sabia que estava lá. Cabendo dizer ainda que a passagem aponta que, ao contrário do que muita gente pensa, o Diabo tem muita força, por isso a citação de que a água que ele agitava já “enchia o barco”, e por isso o pânico dos apóstolos. Entretanto, o fato de Jesus estar dormindo no meio da tempestade, e sendo a tempestade obra de Satanás, Ele quer nos dizer que como n’Ele há segurança e paz, por isso Ele dormindo, também em nós deve haver paz e segurança n’Ele, que nenhuma tempestade impedirá nossa travessia [aqui porem eu preciso abrir um parêntese para dividir contigo um conselho que Ele me deu logo que eu me converti, que tem me ajudado e decerto que também te ajudará muito na travessia. Que foi que, extremamente vaidoso e prostituto de carteirinha quando o assunto era mulher, porem já entendendo que a partir dali o tempo era outro e as atitudes e os pensamentos [pensamento? Isso te lembra alguma coisa?], deveriam ser diferentes também, tudo já obra do Espírito Santo em mim, eu já evitava olhar da mesma forma que antes eu olhava para a figura feminina porém ainda viria a nutrir uma vaidade para com o uso de relógios – mais adiante eu chegaria a, desnecessariamente, ter tantos relógios e relógios caros, que daria fácil para comprar um carro. E numa noite tendo orado, acho que sobre aquela minha nova forma de pensar, ou algo nessa linha, como que pedindo forças para que eu seguisse firme, eis que num sonho, em que chovia e relampejava muito, eu me vi sentado à mesa do que me parecia uma pousada, tendo a um metro de mim, uma das portas da frente do lugar, ao pé da qual eu via estalar um, e depois outro relâmpago. E ao observar em cima da mesa onde eu estava um relógio de metal, e pensar que relâmpago e relógio formam um casamento para lá de explosivo, então o empurro para a outra extremidade da mesa, pedindo à garçonete com quem eu conversava, que o tirasse para bem longe dali. E ponto. Então, acreditando que você esteja lembrado/a de que a abertura do parêntese foi no exato momento que falávamos de “nada atrapalhar nossa travessia”, e que esse sonho, de quase seis anos atrás, me foi trazido à mente pelo Espírito Santo justamente nessa hora, advinha o que será que Ele está querendo dizer, se a revelação aponta Ele dizendo: “Sim, afaste mesmo de você, tudo o que pode atrair a minha ira”, se as duas figuras diante de mim, era exatamente um relógio metálico e representante da minha vaidade, e uma mulher, objeto de desejo indevido dos meus olhos – àquela hora porém apenas dos meus olhos, casado e casado que eu já estava, que a meu pedido, tanto o relógio quanto a mulher estavam sendo distanciados da minha pessoa, se Ele sabe do perigo que o desejo desacerbado e a vaidade trazem ao crente? Tome ainda a pousada, como uma figura do Mundo, esse mundo, por onde, como acontece com quem se hospeda numa pousada, estamos de passagem [Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos - Salmos 119:19]. Mundo em que há tanto objeto de vaidade quanto de desejo que pode levar o povo a derreter sob a ira d’Ele se não os afastarmos de nós. E se cabe dizer, ainda gosto de mulher e ainda gosto de relógio, porem apenas um de cada, que não sou doido. O relógio, porém, não tenho usado muito (aqui rindo até Jesus voltar). Então, dica dada, para quem quer ter sucesso na travessia, sigamos], 04 – Ele dormia na popa, e em cima duma almofada. Duas indicações de que haja a tempestade que houver, Ele está no controle. Por isso era na popa, parte do barco onde está o leme (o volante, se fosse um ônibus) de toda embarcação, onde vai o comandante. E a almofada, por mais que alguns aventem que é por que os que conduziam o barco iam sentados sobre uma almofada, observe que a escrita bíblica diz que Ele estava “deitado sobre a almofada”, e naquele tempo, somente os reis se deitavam sobre almofadas. Um luxo para a época. Logo, se trata duma metáfora, ou parábola, como Ele bem nos adverte que seria, antes de iniciar a passagem que agora nos revela, e que deve nos alegar deveras, com tanta sabedoria. E feliz de nós, se Ele tem nos revelado esses segredos, se Ele mesmo é Quem diz que só faria isso para com os Seus separados. E se você estiver lendo e compreendendo, pode se contar, se não um dos que estão indo no barco maior, tranquilamente dentro dum daqueles barquinhos. Outra coisa que está patente nessa leitura bíblica, é que não se deve deixar intimidar nem duvidar, e muito menos que pensar que pereceremos, não somente se O levamos dentro de nós, mas também se estamos, se é que estamos, DENTRO do barco do qual Ele é o Mestre, para que não sejamos por Ele chamados de “tímidos”, que quer dizer também medrosos, e ainda covardes. 05 – Todos sabemos que até a Sua volta, o mundo, levado por maus espíritos, ainda que, em alguns casos, sem se dar conta disso, estará contra tudo o que se refere à Deus, e por conseguinte nos combatendo – veja as ondas sobre o barco, mas que quando Ele chegar esse mesmo mundo, ou essas línguas, povos e nações que nos combatem, calarão a boca e enfim se aquietarão, quando o povo d’Ele, que ainda não haverá sido glorificado, nem arrebatados, mas povo d’Ele, vivendo junto com os já glorificados, estes, feitos reis e sacerdotes celestiais, experimentará enfim a “grande bonança” citada no versículo 39, o que somente acontecerá no reino milenar. Por isso o termo “calar e aquietar” são usados e obedecidos. (...)Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. (Apocalipse 20:2) (...)Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos. (Apocalipse 20:6).  E 06 – Não é sem propósito a citação ao “grande temor” que sentiram os apóstolos, diante da amostra do tamanho poder do Senhor, mas uma advertência a que, mesmo muito próximos, íntimos, Lhe devemos respeito, reverência e temor, muito temor, se não deve passar ao lago de nossos olhos, que naquela hora ainda figurava entre eles, indo no barco da frente, ele que sempre estava em todas as viagens, se era ele o tesoureiro, aquele mesmo Judas que O trairia em definitivo e logo seria extirpado de entre os 12. E não atoa a citação do termo OBEDIÊNCIA quando se refere a duas grandiosas e poderosas criações naturais, o Vento e o Mar, ainda que na situação, como você já sabe, a referência é sim à pessoas, que se movimentam, falam e ouvem, por isso obedecem quando O ouvem. Logo, como O resistiriam o sujeito comum? Porém a observação crucial deve ser feita à pergunta que se faziam os apóstolos perante tanta expressão de poder, homens que comeram e beberam com Ele: “(...)Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?, o que deixa bem claro que não devemos “nos achar” só por que Ele tem papeado conosco e, nos sonhos e nas Escrituras, nos revelado reservadamente os Seus projetos, e menos ainda, quem sabe, que nem um sonho num ano inteirinho com uma mensagem singela que seja, já tenha deixado de receber, os “poderosos dos altares – por se acharem d+ na sua exegese e hermenêutica bíblica, ou pelo tempo de ministério”, que isso seria um grande erro. Captou?

(...)Porventura estará firme o teu coração? Porventura estarão fortes as tuas mãos, nos dias em que eu tratarei contigo? Eu, o Senhor, o disse, e o farei. (Ezequiel 22:14). Essa é uma passagem que em termos não havia na previsão entrar no texto, visto que ela fala duma carga aguardando o povo ímpio daquele tempo, mas como ela nos ajuda a fletir sobre que Deus não passará a mão pela cabeça de ninguém que proceder impiamente perante Ele, o Espírito Santo achou por bem tomá-la somente para preencher esse espaço, já que o papo aqui é somente com gente obediente e justa, né não? Mas vamos cá, que a ordem foi espremer Marcos e Mateus, e não o pobre do Ezequiel, ‘tadinho’, tão espremido que já foi...

Em um ponto de um dos dois parágrafos acima, eu citei que pessoas, ou o mundo que O nega, negam a Deus sem se darem conta de que agem assim, por influenciadas de espíritos malignos. E há um versículo que o Espírito Santo muito me chamou atenção quando eu meditava no evangelho segundo Marcos, que mostra que os demônios têm preferência por onde morar. Você sabia disso? Se não prestou ainda atenção quando leu isso, agora preste - (...)E rogava-lhe muito que os não enviasse para fora daquela província (Marcos 5:10), que essa é mesma legião de demônios que estava no gadareno, que ao saber que seria expulsa do corpo daquele homem, implorou à Jesus para que não os expulsassem para fora daquela comunidade. Mas por que teria sido o pedido, senão por àqueles maus espíritos se saberem “bem-vindos” entre aquelas pessoas? A menos que, trazendo para o natural, você seja dos tais que, cara de pau e sem o mínimo de amor-próprio, suportam estar numa casa onde os donos dela não te recebem bem, acredito que você concordará comigo. E não penso duas vezes em afirmar que, quem resiste a Deus ou que entre os supostamente já convertidos, e ainda dos que com um povo sob seu comando, tem caminhado na contramão do que Ele fez e nos manda fazer, está sob influência maligna sem perceber que o fim disso é ser empurrado dalgum paredão embaixo no mar, exatamente como quer nos advertir a passagem. Agora veja que a principal razão da preferência deles em conviver com os demônios entre eles, e quase 2 mil demônios, conforme a quantidade de porcos que morreram ao se precipitarem no mar, e isso dentro duma só pessoa, pouco se importando com aquele homem livre do seu sofrimento (avalie a quantidade de espíritos malignos naquele lugar, se considerado toda a comunidade), foi nada mais nada menos que o dinheiro que perderam; lançando fora, por causa da ganancia, a Única oportunidade de salvação que tinham. Não à toa Ele, que se viu enxotado por aquelas pessoas, tanto combater o amor ao dinheiro. Só não vá se enganar que para ser considerado uma pessoa possuída por demônios, necessariamente ela deve estar se batendo e espumando, senão você erra feio de novo. Que você, se dos que comandam, e se isso cabe a você, bem sabe que uma das principais armas deles, para que não sejam descobertos, é a maldita camuflagem. Até me ocorreu espichar um “kdinho” esse parágrafo com uma certa passagem, para o caso dalguma memória precisando dalgum reforço, mas logo a gente segue com o barco (...)Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras. (2 Coríntios 11:13-15). E saiba ''você'', se ''você'' estiver dentro de um desses que está sobre o altar, o travestindo de anjo de luz, que pouco me importa o teu rosnar na minha direção, posto eu bem saber à Quem estou representando. E "você" bem lembra da minha mão, exatamente a que escreve esta mensagem, impregnada de incenso santo. Logo, melhor do que rosnar, em nome de Jesus o que você deve fazer é pular fora desse corpo!

Ah, e sabe do que eu fui trazido a recordar agora? Já viu ou viajou na tua vida num ônibus feito de varas, como se sua estrutura, principalmente a lateral onde ficam as janelas, fosse uma cerca? Pois é, eu já. E quem sabe você também sim, já viajou ou está viajando e ainda não percebeu. E sabe como foi que isso aconteceu? (Mas que pergunta cretina essa. Claro que você não vai saber, se eu ainda não te contei). Mas foi assim: numa noite em que eu tentava dividir com um irmão, em tese, pelo menos, devido ao cenário que Jesus construiu para me falar do moço naquela noite, que me foi apresentado como presbítero, alguns mistérios escondidos nas Escrituras, mas que o moço, senão completamente cego, por caridade minha, no mínimo acometido duma miopia bíblica de dá dó e se pensando não todo bom das vistas, mas o principal oftalmologista da cidade. Um perigo, se em Mateus Jesus adverte que o cego não pode guiar outro cego e o moço já havia sido “consagrado” à presbítero. Então, de parte assistindo o que se tornou uma discussão acalorada, o mesmo Jesus que me mandou te escrever isso aqui, que a tudo assistia e me viu ser extremamente firme com ele devido ao coração duríssimo do moço, e me viu também sentir muito na minha alma, pela necessidade de ter sido deveras duro com ele - que é, ou era, uma pessoa próxima, e sobretudo pelo risco de ele ensinar “aquele nada” ao povo já que não seria tido como inocente se não tentasse fazer nada, na mesma noite me tranquilizou me dando um sonho com o tal ônibus de varas, que foi como me dizendo: “Mandou bem – tem o Meu aval”.  No sonho eu estava em pé dentro dum ônibus com as tais características, e diante de mim um homem, também em pé, que tentava me atrapalhar de fazer alguma coisa. Eu só via ele e o motorista lá na frente, mas havia passageiros, eu somente não os avistava, mas sabia que estavam ali. Eu estava perto do fundo e o cara mais ou menos no meio. Chateado, então eu, percebendo que eu tinha poder de, com o movimento do meu corpo, fazer o ônibus chacoalhar, entendo que devo movimentar meu corpo para um e para outro lado, com o fim de fazer aquele sujeito se bater na cerca, que era a lateral do ônibus, e assim faço. A ideia era fazer ele bater com força na cerca – eu disse com força. Mas ao mudar de cana, porém ainda dentro do ônibus, já não vejo o cara. Porém percebo que o motorista dá um freio-de-arrumação, na tentativa de me derrubar, e me machucar, me jogando por cima das cadeiras, mas noto que ele não consegue o feito, e eu ainda chamo atenção duma mulher, para que dissesse a outra mulher, tipo rindo, eu e a primeira mulher, do insucesso do motorista, o mal que ele havia tentado me fazer. Estando eu agora sentado. Mas sabendo que ao meu movimento, desde que eu estivesse de pé, o motorista mudava o ônibus para a direção que eu apontava com meu corpo. E ponto.

Uma pausazinha:

(...)Tu repreendeste asperamente os soberbos que são amaldiçoados, que se desviam dos teus mandamentos (Salmos 119:21).

Sigamos:

Esse ônibus é o Evangelho – dentro do qual eu também me encontro, logo, o negócio está geral; o motorista prefigura o pastor que, quem sabe também ele tem se permitido fazer de gado, um “gado de destaque”, se ele é posto na direção, o que indica que tentarão me atingir, e me envolver na lambança, por isso o freio-de-arrumação, e eu aparecer sentado – o que indica acomodado na viagem, mas que minha viagem deve ser feita de pé, NA POSIÇÃO, para que eu então faça mudar a rota, certamente rumo a outro Caminho, e não o do matadouro; o cara que tentava me atrapalhar, à quem eu deveria jogar para que se batesse na cerca – que certamente tinha arame farpado, é o tal “presbítero” da discussão, ele representando tantos outros na condição dele, por isso eu não via o rosto, senão eu limitaria somente à ele a interpretação, sobre quem Jesus diz que “a pegada tem que ser mesmo forte”, para que eles notem que estão viajando, num curral, logo sendo feito de gado sem perceber o perigo. Logo, se havia arame farpado, Jesus está pouco se importando que alguns sofram “algum machucado”, se isso for preciso para que despertem onde estão, e para onde, por conseguinte, estão sendo levados – o matadouro. As duas mulheres são figura da Igreja, a que ri junto comigo, da tentativa sem sucesso do capataz, ou melhor, do motorista, representando a ala atenta, e a outra, a ala que precisa se atentar. Já o fato de o tal presbítero não ser visto na cena seguinte do sonho, não inspira nada de bom, se nisso estiver que ele tenha decido do ônibus. Ainda mais se, já que o fato de eu estar dentro dele representar que não há ônibus algum em que não haja o menor cercado – e entenda como cercado o mínimo controle emocional que alguém exerça sobre outra pessoa seja lá em qual ministério seja, há o risco isso representar que, no fim das contas o moço “desembarcar” do Evangelho, quando o certo a fazer é pedir autoridade, poder e força à Deus, com o fim de ajudar a sangria das ovelhas. Se bem que não somente nesse, mas também em outras visitações, Jesus tem chamado o povo de gado mesmo – gado, que não poka a cerca por não saber a força que tem. Se quiser tirar a limpo isso que te digo, ore a Ele perguntando. Esteja à vontade. Que nesse caso não será necessário ser você uma pessoa das “mais chegadas” para que Ele se revele, que o caso aí será pela salvação comum de toda simples alma que tem dúvidas.

(...)E tomou consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, e começou a ter pavor, e a angustiar-se.

E disse-lhes: A minha alma está profundamente triste até a morte; ficai aqui, e vigiai
. (Marcos 14:33,34).

Não, a ideia agora não é focar na ordem que Ele dá até aos mais chegados, para que estes vigiem, ainda que a ideia é boa. Mas o principal é fazer a pergunta do porquê Ele dizer que a Alma d’Ele estava triste “até a norte”. Já havia pensado nisso? Já havia notado, quando sua pessoa leu essa passagem, que nessa fala estava embutido a dica de que o “até a morte” é por que Ele sabia que logo Ele voltaria à vida? E notou também que, se você, sendo Igreja d’Ele, logo Seu corpo simbolicamente estaria (como ainda chegará a nossa vez também literalmente, amém) ressuscitando juntamente com Ele? Muito bom. É sinal que você é uma pessoa esperta. Só falta refletir que, no contexto imediatamente à baixo, quando Ele pede ao Pai que se fosse possível fizesse passar d’Ele aquele cálice, dentro do qual não tinha vinho nem nada menos do uma grande talagada da Ira de Deus, que seria derramada sobre Ele, por Ele estar ali nos representando, como um procurador do meu e do seu pecado, era por que, tipo de execução comum para os criminosos daquela época, e Ele não tendo assistido ao longo dos seus 30 anos, quando iniciou o Seu ministério, não poucas crucificações e visto e o sofrimento absurdo de quem morria por crucificação, logo sabia o que Lhe esperava, mas que ainda assim se posicionou como um filho obediente justamente por saber do valor de cada alma salva para o pai, enquanto, esperando que você não seja um desses, não pouca gente, tal e qual os moradores da comunidade gadarena, negligenciando a própria salvação, tem batido a porta na cara do Único que pode ser seu salvador, seja sua pessoa um já supostamente crente ou pretendente a ser um, ou não ser um crente n’Ele. Refletiu?  

Agora que você refletiu, para ver não a cereja, mas a cobertura de ouro do bolo, vem cá você que entrou recente no barco; que deseja entrar; ou que prefere estar em terra, e também você a quem cabe a tarefa de fazer a pescaria que há algo que o Espírito Santo reservou especialmente para você, conforme me disse dentro “do quarto do perfume”. Lembra do “pescador de homens”? (...)E Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens. (Marcos 1:17). Sabe ou já ouviu a maravilha de revelação por trás dessa que eu considero uma das mais esplendorosas metáforas? Isso, claro, depois da revelação que Ele me fez, que à primeira vista não passaria dum convite para que os discípulos, e nós juntamente, pregássemos o Evangelho a todo ser humano. Então vem fazer a conta comigo: se Ele classifica o povo como peixe, e manda que o povo seja pescado, e a gente sabe que peixe em terra e morte é a mais garantida das combinações, e que peixe pescado morre do mesmo jeito, o que Ele está dizendo é que se o Homem for pescado pelos Seus pescadores, ainda que um dia pareça ter morrido ele terá vida sem fim uma vez que pescado para Ele naturalmente estará 'todo mundo' não no seco, mas dentro d’Ele, que é a Fonte da Água da vida. Por isso “pescadores de homens”, entendeu? Pode vibrar aí, que eu espero. Então é mais do que claro que, como um que encontrou a Fonte da Água da vida e sabedor de que é impossível respirar estando em terra, ou no pó, de onde saímos e ainda voltaremos - ou nem todos nós, quem sabe, e se sabemos que tudo o que é puramente material terá fim um dia, o crente deve trazer para dentro d’Água o peixe, ou seja, a pessoa que vive perdida e feito cachorro que corre atrás do rabo; ainda com sede e logo com a vida inda com prazo de validade mesmo ela pensando que mora à beira da mais fresca e bela das cachoeiras, e sabe bem o que está fazendo, sem saber de nada, sacou? Não? Okey, então eu vou desenhar: já ouviu falar no ditado “peixe fora d’água”? Pois é, se o sujeito não está na Fonte da Água da Vida, logo ele é um peixe fora d’água. E peixe fora d’água morre, e ponto final. Ficou mais claro agora do porque pescadores de homens? Então, o próximo passo pode ser diferente de um pregando e o outro se convertendo? Então mãos à obra e ouvidos prudentes, que não há outro Caminho não, (...)Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. (Mateus 28:19,20).

Talvez sim talvez não, sobre haver cansaço em você com uma leitura tão longa. Mas como esse juízo não cabe a mim, mas à sua própria pessoa se avaliar, se positivo ou se tem te soado negativo o tempo e o que você está lendo, quando te ficará patente do tanto de Deus que cabe em você, e consequentemente se teu destino final será se bater por um pouco de oxigênio nos teus pulmões ou se você estará mergulhado na Fonte do ar infindável, a depender do que você decidir sobre a leitura, mas o fato é que, para que a mensagem tremule no teu coração, o que te ficará mais claro ainda da verdade no enigma que Ele me revelou sobre o peixe e o Homem, e já que você já sabe que é pelos sonhos que Ele instituiu esse mistério de falar comigo, eu preciso fechar o texto te contando duas coisas que Ele ainda disse sobre essa mensagem que está terminando de ler. Então, contando com o fato de em você haver “o cantinho da prudência”, vem comigo:

- “Senhor, fala pra mim, o que há que teu servo deve acrescentar nesse texto que tu deste a teu servo para escrever.”. E Ele falou.

No sonho vejo peixes mortos um após o outro, alguns com parte dos corpos arrancados, às margens duma estrada, e mais adiante vejo também morto um boi. Pelo estado do corpo do boi percebo que algum carro havia se chocado com ele, e por isso aquele cenário. Eu, porém, não vejo o carro. Então, vindo à minha mente que o motorista do carro havia sido levado a algum hospital – se morto ou somente ferido eu não sabia, mas pensava nas duas possibilidades, então concluo que aqueles peixes mortos também vinham no carro. E ponto.

Eu não sei como ficou o teu coração mais acima, quando eu usei o termo “gado” para falar de crente. Mas olha aí, Jesus te dizendo - e atente que já estou te dando a interpretação, que o crente que se permite ser feito de gado, não somente vai provocar um acidente mortal na viagem dos que estiver sendo convertidos, como vai morrer junto. E mais, poderão matar também o crente missionário. Veja que havia o pensamento em mim, se o motorista, que representa àqueles que levam pelo Caminho os peixes, ou melhor, os Homens que se permitiram cair na Rede; que resolvem acompanhar quem já pegou a Estrada, àquela hora estaria vivo ou morto nalgum hospital. E sabe como isso pode acontecer? Em momentos tipo aqueles em que enquanto uns tentam fazer a pescaria, outros se põem na frente à atrapalhar – quem sabe com dogmas e burocracias “santas”; quem sabe por ciúme de quem dá de fato resultado no avanço do Evangelho, e com isso acaba por denunciar que se trata aquele, dum parasita funcional que não passa dum boi dormindo na pista. Daí o acidente fatal está pronunciado. Com resultado da saída do Caminho o evangelista, e por conseguinte a desistência dos evangelizados, conforme está dizendo o Dono dos vivos e dos mortos espirituais – logo que foi um sonho unicamente espiritual, por isso não havia o carro. Mas porque Jesus nos trouxe um sonho com esse cenário, no tangente aos peixes mortos? Para te dizer que, em sendo você um que recém se converteu, ou que se converterá, que nada deve te atingir se você vir, quem sabe levado por alguma contenda entre aquele/a que te evangelizou, a quem você o/a tenha ou passe a ter como “pai ou mãe” na fé, e algum suposto irmão, e por isso ocorrer um seu afastamento da Presença por iniciativa própria ou não, magoado/a que tenha se visto, você JAMAIS deve desistir da Viagem. Que só assim (...)vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação. (Isaías 12:3). Amem?

Porém, como o próprio Jesus nos diz que (...) o reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanha toda a qualidade de peixes. E, estando cheia, a puxam para a praia; e, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora. É bom não se esquecer Ele deixa bem claro que (...)Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos, e separarão os maus de entre os justos, E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes. Conforme Ele deixou bem claro em Mateus 13:47-50. Então todo cuidado é pouco, com a pregação enganosa do que ainda que o cabra seja um baita dum “chutador de balde”, se for “assíduo nos cultos” que ele tem salvação garantida, que é tudo mentira. Que a Ordem é sermos Nova Criatura! Vá por mim, que eu bem sei em nome de Quem eu estou te falando.

E por fim, ainda como parte da resposta ao pedido para que Ele viesse e me falasse ainda sobre a mensagem, então agora Ele me coloca dentro dum lugar fechado, com uma mulher que eu não avistava, mas que sabia que ela estava ali à minha retaguarda, à quem eu deveria levar para algum lugar, mas que, como lá fora, que no sonho eu sabia que se tratava dum lugar perigoso, algo como uma favela lotada de bandidos, me vejo olhando com o canto do olho - e eu tinha que olhar somente com o canto do olho, o que muito me chama atenção do porquê disso, por uma fresta. Eu não deveria virar o rosto todo de jeito nenhum, quando, pensando que “tava limpo” e que podíamos sair, percebo uma criança, um menino duns 8 anos, passando lá fora. Nessa hora temo que ele fosse um olheiro da bandidagem e que poderia nos dedurar, e recuo. E ponto.

Aqui te agradecendo por ter me permitido te passar sobre os mistérios que podem salvar a tua alma, a depender de como você trate toda essa informação que Quem nos dá é em Quem reside a Fonte d’Água de que você já sabe, ou passou a saber mais um pouco, aqui está o que recebi como ordem sobre o trabalho à fazer: a mulher que eu deveria levar a algum lugar, representa a Igreja, na porção que me cabe, como Seu Assistente, conduzi-la; o fato de eu não poder virar o rosto, se trata de Ele dizendo, a quem for assistente, tendo condições de ser assistentes e O assistem com energia, e não aos parasitas que podem deixar de o ser e não reagem, que mesmo de olho “na brecha”, com o fim de livrar Sua Noiva do menor perigo, por isso era uma criança lá fora, contra a qual eu expressava cuidado, é para a Frente que temos que olhar. Por isso o impedimento em olhar para o lado. O que diz que façamos o que fizermos no Evangelho, jamais percamos o foco. Agora advinha por que um menino e não uma menina, já que é a figura feminina que representa a Igreja, logo Noiva? Acetou se disse que Jesus está nos dizendo todo cuidado é pouco, diante do menor sinal de perigo quando o assunto for o altar se você sentir o menor cheiro de que ele tem a mínima relação com criminosos - espirituais. Por isso minha desconfiança sobre a conduta do garoto. Altar que é representado por uma figura masculina! Se ligue!

Não sendo demais lembrar, já que não está escrito para enfeite, e sim para nossa advertência, que (...)o reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanha toda a qualidade de peixes.

E, estando cheia, a puxam para a praia; e, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora.

Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos, e separarão os maus de entre os justos,

E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes.

E disse-lhes Jesus: Entendestes todas estas coisas? Disseram-lhe eles: Sim, Senhor.
(Mateus 13:47-51).

Do mesmo modo, em tempo lembrando que ninguém entra 'abraçado' na Porta da salvação porém todos daremos conta de quem não entrar por causa de más atitudes nossas (Hebreus 12; 14,15), eu também torço que sua pessoa tenha entendido “todas essas coisas” que te disse que te diria com a Palavra, sendo você ainda dos parasitas funcionais ou não, e sobretudo dos que o são por pura opção, mas que se torne em Assistente, não sendo um dos que experimentarão o fedor, mas resolva por também vir sentir o perfume do Pai, e então, se esta é a ordem, passe a mão na rede e também venha à pescaria - porém, para dar vida ao pescado e não para matar os peixes e tão pouco morrer ao longo da Estrada.

Ah, e lembra o "freio-de-arrumação" que deu aquele motorista do ônibus feito de cerca de fazenda, na tentativa de me machucar? Pois é, essa noite, mais uma vez perguntando o que seria esse texto depois de publicado, eis que Ele me dá uma visão dum boi enormemente grande, me olhando feio, mas que na cena eu sabia, e o touro também, que não seria fácil de ele me alcançar. E ganha um doce se traduzir 'quem's' viria a representar esse bichão e o fato de ele saber que não me podia fazer mal nenhum. Posto que...

...Jesus é bom!

Quem mandou largar a rede?

Antônio Franco Nogueira – à serviço do Reino eterno!

Aqui, mais textos do autor

'(...)E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro'. (Apocalipse 22:1). Na imagem, Antônio Franco Nogueira – Foto: Mônica Franco
'(...)E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro'. (Apocalipse 22:1). Na imagem, Antônio Franco Nogueira – Foto: Mônica Franco

 

Camaçari Fatos e Fotos LTDA
Contato: (71) 3621-4310 | redacao@camacarifatosefotos.com.br, comercial@camacarifatosefotos.com.br
www.camacarifatosefotos.com.br